"Tá bom/ Tá é bom/ Tudo é festa/
Pegação/ Vou zoar/ O mulherio/
E a chapa vai esquentar"
(Festa no apê, Latino).

Muitas vezes, na empolgação ou por maldade, as pessoas fazem coisas que se arrependem depois.

No tempo que não existia internet e, mais recentemente, celulares com câmeras em praticamente todas as mãos (sim, jovens, houve um tempo sem internet e sem smartphones!), os riscos do constrangimento posterior eram potencialmente menores. Hoje, porém...

A cor da genital da russa.

Quem não lembra daquela cena grotesca de brasileiros em volta de uma jovem russa, na Copa de 2018, cantando uma música com referência à cor da genital feminina?

Todos ali rindo, brincando (na concepção deles), talvez meio bêbados fazendo coro e pose para um celular. A cena viralizou, envergonhou 1/3 do Brasil e encontrou defensores em outro 1/3.

Pois um dos alegres cidadãos do vídeo se arrependeu quando viu a matéria no jornal da sua cidade e pediu judicialmente sua exclusão do portal. O magistrado negou pelos princípios da liberdade de expressão e de comunicação, e porque o fato era público.

Fotos nuas no trabalho.

Em outro episódio, um rapaz, por vingança, distribuiu fotos íntimas de sua ex-namorada em um aplicativo de encontros, revelando o local de trabalho dela.

Este tipo de comportamento é chamado de pornografia da vingança, e é indiscutível o estrago que pode causar na vida de uma pessoa, especialmente uma jovem mulher.

Esse mês o Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a condenação de indenização de R$ 30 mil por danos morais.

Comentários e compartilhamentos nas redes sociais.

Outra mania dos novos tempos também tem causado muito arrependimento e dor de cabeça: os comentários e compartilhamentos nas redes sociais.

Muita gente curte, compartilha e comenta postagens sem avaliar a gravidade do que está escrito.

Para aqueles que vão no embalo ou apenas querem se sentir pertencentes a algum grupo ou íntimos de alguma pessoa, vai um alerta: já há condenações judiciais também para quem compartilha postagens com calúnias e difamações.

Conclusões.

Vingança pode até acabar com a vida da vítima, mas vai se reverter contra o algoz, mais cedo ou mais tarde. Preste atenção no que você compartilha, comenta ou curte nas redes sociais: muita gente que sacaneia os outros não tem nada a perder, mas você pode ter.

E 1/3 da população brasileira não estava nem um pouco preocupada com a Copa ou a cor das partes íntimas da garota russa.