Imagem divulgação - Pixabay
Imagem divulgação - Pixabay

Aonde leva essa loucura/ Qual é a lógica do sistema/ Onde estavam as armas químicas/ O que diziam os poemas” (Armas químicas e poemas, Engenheiros do Hawaii).

Quem já assistiu ao filme Minority Report – A nova lei (2002), de Steve Spielberg, com Tom Cruise no papel principal, conseguirá imaginar a situação. Aquilo que parecia uma ficção inatingível imaginada para 2054 (ambientação do enredo) está se tornando realidade com mais de trinta anos de antecedência.

Não duvidem das obras de ficção científica!

A predição de crimes.

Baseado no livro homônimo de Philip K. Dick, a história retrata um futuro em que não há crimes, pois, antecipadamente, já são previstos e, consequentemente, os “culpados” são presos antes que os cometam.

Entra-se aqui, do ponto de vista jurídico e filosófico, num complexo paradoxo que o espaço desta coluna não permite alongar a discussão. O fato é que, pela história da obra, a taxa de criminalidade cai a zero ante a eficiência preditiva, ou seja, de previsão, dos órgãos competentes.

É o sonho (criminalidade zero) de qualquer gestor público e de qualquer sociedade, sem dúvida.

A vida imitando a arte.

Em Minority Report desconfianças levam ao clímax da história. O que parecia, de certa forma, óbvio na história do filme, talvez não seja tanto na nova realidade.

Na China – sempre na China – a sensação do momento, a polêmica da vez é o reconhecimento emocional.

Do reconhecimento facial muito já se falou, e muito ainda tem que se falar, especialmente quando se trata de sua utilização para segurança pública, considerando as falhas e desvios já constatados.

No reconhecimento emocional a inteligência artificial analisa emoções como agressividade, estresse e nervosismo para identificar suspeitos de crimes. Esse sistema já está sendo utilizado na China para monitoramento de alguns aeroportos e estações de trem.

Enquanto isso, no ocidente...

Nos Estados Unidos grandes empresas também estão desenvolvendo estudos e softwares sobre reconhecimento emocional.

Entretanto, pelas bandas de cá (do Ocidente) essa história de premonição de crimes para efeitos legais, policiais ou judiciais não é bem vista. Há muito o que se discutir para se ter o mínimo de segurança para o uso de uma tecnologia desta natureza.

O que é indiscutível, contudo, é que o Big Brother está cada vez maior...