"O Papa é pop, o Papa é pop/ (o
presidente é pop, um indigente é pop)/
O pop não poupa ninguém/ (nós
somos pop também).”
(O papa é pop, dos Engenheiros do
Hawaii).

Quando Humberto Gessinger compôs esta música referia-se ao Papa São João Paulo II (1978/2005). Entretanto, ela não poderia estar mais atual do que com o Papa Francisco.

O pontífice entendeu perfeitamente a importância da tecnologia na cultura contemporânea como poucos. Talvez até melhor do que muitos empresários e empreendedores.

Já em 2016, o chefe da Igreja Católica tirou fotos (mais especificamente as modernosas selfies) com os maiores youtubers e influenciadores digitais da época.

Ainda que tenha sido uma gigantesca honra para a garotada que saiu nas fotos, o Papa foi muito sagaz em levá-los para o Vaticano e alcançar instantaneamente os milhões de seguidores daqueles jovens influenciadores digitais (estimou-se, à época, que os 10 youtubers tinham mais de 26 milhões
de assinantes).

E ele ainda se considera um “dinossauro tecnológico”! O Papa Pop Francisco, porém, não parou por aí! Ano passado ele aprovou o lançamento de um jogo de realidade aumentada para celulares chamado Follow JC Go (algo como Siga Jesus Cristo), bem ao estilo de Pokémon Go.

O jogo visava atrair os olhos da meninada para a Jornada Mundial da Juventude que ocorreu esse ano no Panamá. Personagens bíblicas, santos, beatos e pessoas reais fazem parte do roteiro do jogo, com missões a serem cumpridas.

Demonstrar que a internet, apesar das diversas preocupações que carrega, pode ser utilizada para divulgar o bem, melhorar a vida das pessoas e destacar discussões sérias, e, ainda, agregar seguidores, foi uma contribuição importantíssima do Papa.

É a demonstração de como tecnologia e inovação podem contribuir com todas as causas. Quem quiser ver as selfies do Papa com os influenciadores digitais o mais informações sobre o jogo, pode
acessar no Instagram, que os links estarão disponíveis.