A Câmara de Desenvolvimento da Indústria de Alimentos e Bebidas da Federação das Indústrias (Fiesc), instituída este ano, realizou na quinta-feira (16) sua primeira reunião. Hilton Leonetti, diretor comercial da Duas Rodas, conduzirá as atividades do grupo. Engenheiro químico por formação, Leonetti atua há 29 anos na companhia que comercializa produtos na área de alimentos e bebidas.

“Vamos conhecer mais do setor, o que ele representa, tanto no PIB, quanto em faturamento para saber onde estamos pisando e monitorar resultados. O grande objetivo dessa câmara é justamente fazer com que esse setor ganhe cada vez mais importância para o nosso estado, que cresça e se fortifique”, destacou Leonetti.

Entre os assuntos que a Câmara vai discutir estão legislação, insumos, matéria-prima, mão de obra, impostos, logística e transporte. “Vamos discutir ações que ampliem o mercado, a integração da cadeia produtiva do setor, ações que aumentem a nossa competitividade e produtividade para ampliar a participação do setor catarinense no mercado interno e externo”, frisou.

O grupo fará ainda acompanhamento de pautas jurídicas e tributárias e terá acesso a levantamentos de dados do Observatório Fiesc, análises econômicas e setoriais, além de soluções do Sesi e do Senai em educação e tecnologia.

(segue)

Perspectivas para o setor

Pablo Bittencourt, assessor de economia da Fiesc e professor do departamento de economia da UFSC, apresentou características e perspectivas para o setor. “Temos detalhado muitos dados e esse é um dos primeiros resultados: todo o PIB do setor de alimentos detalhado por setor industrial, com destaque para o setor de abate de carnes (47%)”, citou.

Entre os produtos, destacam-se derivados de carne, carne de aves e bebidas. De toda a produção de alimentos e bebidas, 21,6% é utilizado na indústria; 12,5% é exportado; 33,3% é vendido para outros estados (mercado nacional) e 32,7% é consumido internamente (consumo das famílias).

“As perspectivas para o setor em curto prazo são boas principalmente em relação ao consumo interno, com a ampliação da renda do consumidor”, avalia o economista. Entre os desafios previstos para 2022 estão a crise política, que causa desconfiança no investidor; a inflação causada pela crise hídrica; medidas fiscais (que envolvem precatórios); e a desaceleração dos estímulos monetários nos EUA, o que reduz a disponibilidade de dólar no mundo e causa impactos cambiais.

 

Premiação

A Federação das Indústrias do Estado de SC (Fiesc) anunciou, em reunião de diretoria, na sexta-feira (17), que entregará a Ordem do Mérito Industrial de Santa Catarina durante solenidade marcada para o dia 22 de outubro, na sede da entidade, em Florianópolis. A cerimônia havia sido adiada em função da pandemia, e será realizada com rigorosa observação dos protocolos de segurança e número limitado de participantes.

Serão condecorados os industriais: Fernando Cestari de Rizzo (Tupy, de Joinville), Gelson Dalla Costa (Apti Alimentos, de Chapecó), Júlio André Ruas Tedesco (in memoriam - Grupo Tedesco, de Balneário Camboriú), Sirivaldo José Barbieri (Pioneiro Baterias, de Água Doce), Salézio José Martins (Grupo Kyly, de Pomerode), Ricardo Minatto Brandão (Brametal, de Criciúma), além de Vicente Donini, do Grupo Marisol, de Jaraguá do Sul, que receberá a comenda nacional, da CNI.

Ação social

Iniciativa da Federação das Indústrias (Fiesc) e dos Contabilistas (Fecontesc) de Santa Catarina, com apoio da Associação Empresarial de Jaraguá do Sul (Acijs), um evento online na próxima quarta-feira (22) vai apresentar a empresas e a profissionais da área contábil como as leis de incentivo podem beneficiar projetos sociais no Estado.

Aeroportos

O governo do Estado já confirmou a data para a retomada dos voos comerciais em mais três aeroportos regionais de Santa Catarina. Com isso, no dia 27 de setembro, o Estado passa a contar com oito aeroportos operando linhas regulares de passageiros, ligando polos regionais à Capital.

Juros

A Caixa Econômica Federal anunciou na quinta-feira (16) uma redução na taxa de juros do crédito imobiliário. Os detalhes foram anunciados em um evento para o setor de construção civil realizado na sede do banco, em Brasília. O ajuste vai na contramão dos aumentos sucessivos da taxa básica de juros, a Selic. A taxa passa de 3,35% ao ano (a.a.) para 2,95% a.a.

IOF

O Diário Oficial da União (DOU) publicou na sexta-feira (17) um decreto assinado com novas alíquotas do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), que incide sobre operações de crédito, câmbio e seguro ou relativas a títulos ou valores mobiliários. As novas alíquotas valem para pessoas físicas e jurídicas e serão aplicadas no período de 20 de setembro até 31 de dezembro. Para as pessoas físicas a alíquota passa de 3% ao ano para 4,08% ao ano. Já para as pessoas jurídicas, a alíquota anual passa de 1,5% para 2,04%.

Intenção de consumo

A pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF) de setembro, divulgada esta semana pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), apresentou o melhor resultado desde março de 2021, alcançando 72,5 pontos. A pesquisa varia de zero a 200 pontos, sendo que resultados acima de 100 indicam satisfação e abaixo de 100, insatisfação.

 

Renda

Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado na sexta-feira (17), mostra que houve queda de 6,6% na renda habitual e aumento de 0,9% na renda efetiva do trabalhador brasileiro no segundo trimestre de 2021, na comparação com o mesmo trimestre do ano passado, o pior momento do mercado de trabalho durante a pandemia da Covid-19.