A prefeitura de Jaraguá do Sul, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Inovação, já contabiliza os frutos do trabalho que vem sendo feito desde 2017 para a desburocratização dos processos de abertura e regularização de empresas.

Jaraguá do Sul foi um dos primeiros municípios do Estado a regulamentar a Lei de Liberdade Econômica, trazendo novas regras para reduzir a burocracia nas atividades econômicas.

A desburocratização, aliás, é um tema defendido pela administração municipal e as ações desenvolvidas até agora, mostram que este é o caminho do progresso.

Em quatro anos, o numero de empresas cadastradas ou regularizadas vem crescendo significativamente.

Em 2017, início do processo de desburocratização, foram registradas 1180 aberturas de empresas no município.

Em 2018, este número saltou para 1763, em 2019 foram 2540 cadastros abertos e em 2020, mesmo com os efeitos da pandemia, o município registrou 2660 aberturas, um saldo considerado bastante positivo segundo o chefe de pesquisa e informação, Ricardo Amadio.

De acordo com ele, 2021 promete ainda mais avanços, tendo em vista que, até agora, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Inovação já contabiliza 542 aberturas de empresas, com destaque para fevereiro, que teve 411 cadastros, praticamente o dobro do registrado em fevereiro de 2020 (219 cadastros).

“O Município se tornou um ambiente propício para abertura de negócios ou a regularização dos que já estão instalados”, reforça o Secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Daniel Gustavo Schmitz de Arruda.

Atualmente, um cadastro tributário para regularização de empresa, fica pronto em até 24 horas. Este prazo, em 2017, era de dois meses.

Mulher empreendedora

Neste ano, com o distanciamento social e a impossibilidade de cada núcleo promover um evento presencial em sua cidade, o Conselho Estadual da Mulher Empresária de Santa Catarina (CEME) resolveu reunir todos os núcleos de mulheres empreendedoras em um só lugar.

Por isso, o evento comemorativo à data será realizado ao vivo e on-line no canal do CEME no YouTube, no dia 8 de março, das 17h às 18h30.

(segue)

Mercado de trabalho

As mulheres têm conquistado espaços importantes no mercado de trabalho, diversificando cada vez mais os segmentos de atuação e ocupando ambientes majoritariamente masculinos.

De olho nessa realidade, o Grupo Menegotti, de Jaraguá do Sul, está convocando seus públicos a refletir e a fortalecer o empreendedorismo feminino na indústria da construção civil.

Na próxima segunda-feira (8) a empresa lança o canal Mulheres que Constroem a Indústria. Idealizado pela CEO da marca, Pauline Menegotti Horn, ele busca fornecer capacitação e troca de conhecimento entre mulheres empreendedoras, empoderando-as e, assim, apoiando também o protagonismo feminino.

Indicadores de emprego

Os dois indicadores de mercado de trabalho da Fundação Getulio Vargas (FGV) apresentaram piora na passagem de janeiro para fevereiro.

O Indicador Antecedente de Emprego (Iaemp) recuou 0,6 ponto e chegou a 82,9 pontos, em uma escala de zero a 200.

O Iaemp busca antecipar tendências do mercado de trabalho com base em entrevistas com consumidores e com empresários dos serviços e da indústria.

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) subiu 0,5 ponto, para 99,3 pontos.

Pobreza

A pandemia e a crise econômica elevou o índice de extrema pobreza na América Latina em 2020 aos níveis que tinham no século passado, segundo as conclusões de um estudo conduzido pela Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe).

As estimativas da comissão são de que 78 milhões de pessoas na região não dispõem de recursos que permitam satisfazer suas necessidades básicas de alimentação, um aumento de oito milhões de pessoas na comparação com 2019.

O número representa Isso representa 12,5% da população, ou uma em cada oito. Os números são similares aos registrados na virada do século - e os piores em 20 anos.