Essa semana marcará mais uma etapa de reformulação do governo de Eduardo Pinho Moreira (PMDB) em Santa Catarina. Na quinta-feira, todos os ocupantes de cargos comissionados que pretendem disputar a eleição de outubro devem entregar seus cargos. Entre eles, Carlos Chiodini (PMDB), secretário de Desenvolvimento Econômico e Sustentável.

Como uma das suas últimas ações, Chiodini intermediará uma reunião hoje entre Pinho Moreira, que estará em Jaraguá do Sul para posse da Associação Empresarial, e os prefeitos da região, às 18h, na sede de Amvali. Mesmo com um período curto de administração que terá e com uma série de restrições impostas pela legislação eleitoral, o governador em exercício ouvirá as demandas de cada município. Como prioridade conjunta, Chiodini já adiantou a necessidade de revitalizar as rodovias, principalmente a SC -108, apelidada de via dos buracos, e garantir a continuidade da construção do elevado entre Massaranduba e Blumenau, na BR-280.

O jaraguaense volta à Assembleia Legislativa na sexta-feira onde deve retomar uma agenda em torno da representatividade regional e se preparar para disputa de outubro, quando deve buscar o voo mais alto de sua carreira, uma cadeira na Câmara dos Deputados.

Despesas de gabinete crescem em fevereiro

As despesas de gabinete da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul deram um salto em fevereiro na comparação com o mesmo mês do ano passado; de R$ 1.944 passaram para R$ 2.877, indo na contramão dessa legislatura que até agora mostrava expressivas reduções nos gastos. No período, quem mais gastou foi Marcelindo Gruner (PTB), com uma conta de R$ 865, sendo R$n590 em diárias. Depois aparece Arlindo Rincos com R$ 507, sendo R$ 230 de deslocamento de automóvel. Na outra ponta, quatro vereadores tiveram uma conta de gabinete inferior a R$ 100; Jackson Ávila (PMDB), com R$ 42, Jaime Negherbon (PMDB), com R$ 49, Eugênio Juraszek (PP), R$ 53, e Celestino Klinkosky (PP), com R$ 91, foram os mais econômicos.

Caso rincos

O processo movido pelo vereador Arlindo Rincos (PSD) contra a Comissão Processante aberta pela Câmara para investigar denúncia de suposta irregularidade cometida por ele na cobrança de parte do salário de um comissionado não tem previsão para decisão judicial, embora já esteja concluso para despacho desde novembro. O trabalho da comissão foi interrompido por mandado de segurança quando já estava na fase de elaboração de relatório, que apontaria pelo arquivamento ou cassação. Os apontamentos ainda seriam submetidos ao plenário.

Internet mais acessível

O prefeito de Corupá, João Carlos Gottardi (PP), participou ontem em Brasília da cerimônia para assinatura do termo de adesão ao Programa Internet para Todos, que vai levar banda larga de alta velocidade a todas as regiões do Brasil. As Prefeituras de Guaramirim e Jaraguá do Sul também foram selecionadas. O evento contou a presença do presidente Michel Temer e do ministro da Ciência e Tecnologia, Gilberto Kassab. O programa ofertará conexão a preços reduzidos aos moradores dessas cidades.

Atendimento nos postos

Mesmo depois do prefeito Luís Antônio Chiodini (PP) instalar cartão ponto eletrônico nos postos de saúde, o horário de trabalho, ou ausência, dos médicos ainda gera dívidas. Na Câmara, o vereador Osni Bylaardt (PMDB) reclamou ainda do fechamento dos postos para reunião do funcionalismo. Conta que presenciou o fato na unidade do bairro Caixa D’água.

Educação no trânsito

Vereador Jaime Negherbon (PMDB) sugere que a Prefeitura implante placas de Pare para os ciclistas, nas faixas de pedestres. Diz que foi procurado por moradores da Barra do Rio Cerro, preocupados com a situação. O parlamentar acredita também na necessidade de uma campanha de conscientização sobre boa educação no trânsito.

Em foco

  • O diretório municipal do PMDB de Florianópolis, em ação conjunta com os diretórios de Curitiba e Porto Alegre, está questionando no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a mudança do nome da sigla para MDB. A troca foi aprovada em convenção nacional no fim de 2017. O grupo não é contra a troca de nome em si, mas sim contra a forma como as alterações estatutárias foram aprovadas e como o diretório nacional dialoga com estados e municípios.
  • Os vereadores de Guaramirim voltaram a reclamar na tribuna da falta de respostas dos secretários do prefeito Luís Chiodini (PP). O recado tem como alvo principal Sandro Depim, secretário de Infraestrutura.
  • Na quinta-feira, dia 15, encerra o prazo para o prefeito Antídio Lunelli (PMDB) vetar ou sancionar o projeto que proíbe o ensino da ideologia de gênero nas escolas municipais. Se o prefeito não se manifestar, caberá ao presidente da Câmara Anderson Kassner (PP) promulgar o texto.
  • A proposta de transformar o Calçadão da Marechal em uma via restrita a pedestres voltou a ser defendida na Câmara. O vereador Marcelindo Gruner (PTB) diz que esse é um pedido recorrente dos comerciantes da região.
  • Tucanos da região ainda avaliam qual o impacto da notícia de que o STF (Supremo Tribunal Federal) autorizou a investigação contra o senador Paulo Bauer (PSDB) por supostamente ter recebido R$ 11,5 milhões em doações não declaradas da Hypermarcas na campanha eleitoral de 2014. Pré-candidato ao governo do Estado em outubro, Bauer nega as acusações.
  • Segundo a delação premiada do ex-executivo da Hypermarcas, Nelson de Mello, o repasse teria sido feito por meio de contratos fictícios assinados com outras empresas e o objetivo era “desenvolver laços políticos com o parlamentar de destaque no PSDB (... que) participava ativamente de assuntos relacionados à guerra fiscal entre os Estados e à indústria farmacêutica”, ramo de autuação da empresa.