O pedido de demissão do secretário Planejamento e Urbanismo da Prefeitura de Jaraguá do Sul, Ivaldo Kuczkowski, pegou a todos de surpresa nesta terça-feira (29). Ao deixar o cargo, Kuczkowski, que é advogado, contabilista e ex-vereador, agradeceu a oportunidade e alegou precisar tratar de questões pessoais. Para ocupar a vaga, foi anunciado como interino na pasta o controlador geral do município, Eduardo Bertoldi, que vai acumular as duas funções por tempo indeterminado.

Os desafios do setor de Planejamento e Urbanismo não são pequenos. O maior deles é o lançamento do edital do transporte coletivo. O contrato entre a Prefeitura e a Canarinho está vencido há mais de ano e o modelo de concorrência ainda não foi enviado para análise do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Outras questões tratadas como prioridade são a revisão do Plano Diretor – o estudo já está pronto. Bertoldi, que tem anos de experiência na área pública, deve dar agilidade às discussões até que o governo escolha um novo secretário.

LEIA MAIS:

- Secretário de Planejamento e Urbanismo da Prefeitura de Jaraguá pede exoneração

 

Embaixo da ponte

Diretor de Defesa Civil, Hideraldo Colle (PMDB) foi com sua equipe fazer uma vistoria embaixo da Ponte do Rau. Foi chamado por vizinhos da estrutura que reclamam da sujeira no local. Pelo menos sete pessoas estão vivendo provisoriamente embaixo da estrutura. Segundo Hideraldo, a Secretaria de Assistência Social foi informada da situação e os moradores se comprometeram a limpar o espaço até sexta-feira, para evitar que seus pertences sejam recolhidos | Foto Divulgação/OCP

 

Emenda para saúde

Fazendo um tour pela região, a deputada federal Geovania de Sá (PSDB) passou por Corupá, onde anunciou uma emenda de R$ 100 mil para custeio da saúde. Na foto, a parlamentar com os vereadores Andressa Schmitt, Alaor Duarte, Felipe Rodrigues, Adalberto Maia e o presidente da Câmara, Alceu Moretti. A tucana destinou a mesma quantia para Jaraguá do Sul, onde foi recebida pelo vice-prefeito, Udo Wagner (PP).

Raio-x da burocracia

Com a missão de desburocratizar e estimular o surgimento de novos negócios, o governo criou o projeto pró-empresa, comandado pelo diretor de Desenvolvimento Econômico, Neivor Bussolaro. Até o dia 4 de setembro, o grupo deve apresentar a primeira fase dos trabalhos, que consiste em um raio-x dos principais entraves encontrados em Jaraguá do Sul por quem quer empreender. “Problemas de sistema de informação e falta de pessoal em determinados setores foram algumas constatações feitas até agora”, adianta Bussolaro. Facilitar a abertura de empresas foi uma das promessas de campanha do prefeito Antídio Lunelli (PMDB).

Convênio garante professores a associações

A Agência Regional de Jaraguá do Sul assinou termo de cooperação técnica entre a Fundação Catarinense de Educação Especial (FCEE), Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apaes) e Associação dos Amigos do Autista (AMA). Por meio de convênio e com regulação da FCEE, o Estado cede professores efetivos do seu quadro e admitidos em caráter temporário para exercício de atividades nas associações. Na Regional de Jaraguá do Sul, são cedidos pelo Estado 101 profissionais, para atender 643 alunos.

Nas redes sociais 

“A Justiça de Deus é tão divina que ensina a cada um de acordo com seus atos. Parabéns Arlindo Rincos”. Do vereador Ronaldo Magal (PSD) sobre a liminar que decretou a paralisação temporária da comissão processante aberta na Câmara contra Arlindo Rincos, seu correligionário.

Câmara prepara defesa 

O presidente da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, Pedro Garcia (PMDB), acredita que o jurídico da Casa não terá dificuldade para provar que a investigação contra Arlindo Rincos (PSD) foi aberta de maneira legal. Garcia diz que os trabalhos foram instaurados com base no que diz o decreto 201/1967, que trata de comissões processantes. Segundo ele, a Lei Orgânica Municipal (LOM) fala apenas em comissão especial de inquérito. Essa, sim, teria que ser proposta exclusivamente por integrante da Mesa Diretora ou partido político com representação na Casa. “Seguimos o decreto que orientou inclusive a investigação contra a presidente”, disse, referindo-se ao impeachment de Dilma Rousseff (PT).

Reforma política

Os principais partidos governistas e de oposição ainda não chegaram a um acordo sobre a reforma política, o que pode levar a proposta definitivamente para a gaveta. A atual reforma política já é discutida há meses e trata de quatro pontos essenciais: um novo modelo de financiamento das campanhas, o formato de eleição para o Legislativo, o fim das coligações entre partidos e regras para tentar barrar a proliferação das legendas. O único ponto já acertado, em torno da proposta de emenda à Constituição que acaba com as coligações e estabelece a chamada cláusula de desempenho (ou barreira) contra os nanicos, deve ser votado hoje em plenário. Pelo menos, essa era a previsão de ontem.