A rua Leodato José Garcia, no Braço Ribeirão Cavalo, foi a primeira a ter o projeto aprovado dentro do pacote de R$ 20 milhões de financiamento liberado pelo Badesc a Jaraguá do Sul. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (27) com exclusividade à coluna pelo prefeito Antídio Lunelli (PMDB). A previsão é de investimento de R$ 2,1 milhões no trecho que engloba 348 imóveis. As vias estruturantes e pelas quais passam o transporte coletivo são prioridade para a administração. A previsão é que a ordem de serviço seja dada até março de 2018. O projeto já está no setor de Licitações, mas com as férias coletivas em janeiro, a administração municipal prefere dar um prazo mais elástico para não falhar o cronograma depois.

Em uma rápida conversa, Lunelli disse estar satisfeito com os resultados conquistados nesse quase primeiro ano de governo, mas ainda reclama da burocracia. Diz que daria nota sete ao seu governo até aqui porque espera mais. “Se eu disser que eu fiz tudo o que eu queria fazer vou estar mentindo. Em alguns momentos, acabamos cedendo. Temos um secretariado excelente. Mas se fosse na iniciativa privada, eu teria conseguido cumprir com 100% das minhas metas. Temos muito a melhorar.” E é nesse ponto que o prefeito admite que pode fazer mudanças na sua equipe antes do fim do ano. “Algumas mudanças são necessárias. Isso ainda está sendo analisado. Às vezes, a gente leva alguns nomes por questão políticas, mas ineficiência não pode ser admitida. Eu preciso de resultado”, avisa.

Nesse ponto, Lunelli, além da burocracia, reclama também da politicagem de alguns vereadores em discussões consideradas estratégicas, como a revisão da planta genérica de valores dos imóveis. “São situações que me incomodam. Nós estamos aqui para o bem de Jaraguá do Sul. Não estou preocupado com a minha gestão. Tenho mais três anos e só. Minha preocupação é com o município a longo prazo. Jaraguá do Sul não é uma ilha. Olha o que aconteceu no Rio de Janeiro e no próprio Rio Grande do Sul. E só não aconteceu em Santa Catarina porque o governador (Raimundo Colombo) tomou algumas medidas. Não todas que são necessárias. E aí eu digo que o meu candidato ao governo do Estado é o Mauro Mariani porque ele está com o machado afiado para fazer o que é necessário. Temos que quebrar alguns pratos, não existe outro jeito de arrumar a casa!”, diz o prefeito, citando como exemplo o pacote de cortes colocado em prática pelo próprio governo no primeiro semestre do ano, que, até novembro, gerou uma economia de R$ 12 milhões aos cofres públicos.

Ainda sem um balanço oficial, o prefeito diz que as contas do município serão fechadas em dia apesar das dificuldades e do déficit projetado no início do ano, em R$ 63 milhões. Além dos cortes relacionados ao funcionalismo, Lunelli cita uma economia de até 30% nas compras pelo pregão eletrônico.  “Vamos fechar o ano redondo, com a casa em dia, sem esconder cadáveres.”

 

Revitalização e segurança

Em agenda em Jaraguá do Sul no último sábado, o governador Raimundo Colombo (PSD) inaugurou a revitalização a SC-110 entre Jaraguá do Sul e Pomerode. Acompanhado do secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Carlos Chiodini, e do prefeito Antídio Lunelli, ambos do PMDB, também assinou decreto que cria o comando regional da Polícia Militar no município, uma demanda antiga da comunidade | Foto Divulgação/OCP

Ponto dos servidores

Previsto para ser instalado em junho e depois disso alvo de uma batalha judicial, o ponto eletrônico adquirido pela Prefeitura de Jaraguá do Sul para controle da jornada do funcionalismo já está sendo instalado. Até o fim do ano, os dados ficarão todos centralizados no RH. São 145 equipamentos ao custo de R$ 389 mil.

Outras mudanças

Além do prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli, outros também avaliam a possibilidade de mudanças. Em Corupá, João Gottardi (PP) já avisou que avaliará o desempenho dos ocupantes de cargos comissionados e que deve mexer na equipe antes da chegada do bom velhinho.

Samae deve gerir o lixo

O presidente do Samae, Ademir Izidoro, apresentou nesta segunda ao primeiro escalão da Prefeitura de Jaraguá do Sul e aos vereadores da base o projeto que deixará com a autarquia a responsabilidade pela coleta, transbordo, transporte e disposição final de resíduos - leia-se lixo - , já em 2018. Segundo os números oficiais, somente em 2016, o município teve um déficit de R$ 2,5 milhões com o serviço, que arrecadou R$ 11,4 milhões e consumiu R$ 13,9 milhões. A proposta do Samae inclui a cobrança dos munícipes por tarifa, que pode ter como base o consumo de água.

Rodrigues em Jaraguá

Depois do Sul do Estado, o deputado federal João Rodrigues (PSD) anunciou o lançamento da sua pré-candidatura ao governo do Estado em Jaraguá do Sul na noite de quinta-feira. Estará com simpatizantes e correligionários. Gelson Merisio, deputado estadual do PSD, também tem interesse na cabeça de chapa da majoritária. Porém, diferentemente de Merisio, Rodrigues não descarta a reedição da aliança com o PMDB.

PMDB e PP enterram a possibilidade
de 
aumento de vagas na Câmara

A decisão da executiva do PMDB, de fechar questão contra projeto que vinha sendo negociado nos bastidores da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, e que previa aumentar de 11 para 15 ou 19 o número de vereadores em Jaraguá do Sul, enterra de vez a possibilidade de aumento de cadeiras. Além do PMDB, que tem três vereadores, o PP, também com três representantes, já havia anunciado a mesma posição na semana passada.

Além de se posicionar contra o aumento do número de parlamentares, o PMDB também decidiu orientar a bancada a ser contra o abono natalino, previsto para ser distribuído a todos os servidores da Câmara, um agradinho de R$ 600. A coerência falou mais alto, a sigla, orientada pela presidente, Natália Lúcia Petry, e pela maior liderança, o deputado Carlos Chiodini, entende de que não faz sentido distribuir abono aos servidores do Legislativo depois de um ano de cortes no Executivo.

Questionada pela coluna sobre a eleição da Mesa Diretora, Natália foi taxativa ao afirmar que não existe possibilidade do PMDB descumprir acordo firmado no ano passado, que prevê que o presidente da Câmara em 2018 será o vereador Anderson Kassner, do PP. “Acordo é para ser cumprido. O PMDB sempre cumpriu e vai continuar cumprindo”.

Figurinhas carimbadas

Poucas mudanças. Se os nomes citados nas pesquisas eleitorais, tanto em Santa Catarina quanto no país, se concretizarem sem novidades, a eleição de 2018 não será um divisor de águas como se previa depois da Lava-Jato e como anseia a sociedade.   São na grande maioria figurinhas já conhecidas.