Em plena terça-feira de manhã em Jaraguá do Sul, o centro da cidade foi palco para cerca de 50 a 100 manifestantes. O grito de guerra foi o já tradicional: “vem pra rua”.

A sociedade está à beira de um ataque de nervos diante de tanta corrupção, manchete diária nos últimos quatro anos. O problema é que o eleitor não sabe como canalizar a revolta e o desejo de mudança.

No Brasil, o que se viu foi o movimento de apoio aos grevistas intercalarem “Fora Temer”, “Lula livre” e “Intervenção militar já”. Com tudo junto desse jeito, nem Freud explicaria.

De Eliane Cantanhede: “focar o protesto na queda do presidente Michel Temer raia o ridículo, é como chutar cachorro morto. Faltando seis meses para o fim do governo? Com Temer já no chão? É muita artilharia para pouco alvo”. Pois é.