A semana começou com mudanças no governo do prefeito Antídio Lunelli (MDB). A primeira foi a nomeação do ex-comandante da Polícia Militar, o policial da reserva Gildo Martins de Andrade Filho, como diretor de Trânsito do município, substituindo Irio Riegel. O objetivo será implantar alterações que melhorem a trafegabilidade.

Riegel foi nomeado como diretor administrativo da Secretaria de Educação, enquanto Jacira Buzzarelo foi para diretoria de Agricultura.

Andrade é o segundo policial militar a comandar a diretoria. No governo de Dieter Janssen, o Trânsito ficou sob a responsabilidade do também ex-comandante Rogério Luiz Kumlehn.

Outra mudança confirmada pela administração foi a exoneração de Ademar Possamai (DEM) da presidência do Issem. O afastamento não havia sido publicado ainda no Diário Oficial do Município, mas Possamai já se despedia de muitos dos seus colegas.

O substituto não foi confirmado e deve haver tempo para transição. Existe a possibilidade da servidora de carreira Rosane da Rosa comandar interinamente a estrutura.

Motivos técnicos e políticos motivaram a saída de Possamai. Lunelli nunca escondeu que gostaria de fazer algumas reformas na previdência dos servidores.

Marcio Erdmann, atual secretário da Fazenda, seria, na visão do governo, a pessoa ideal para levantar algumas opções. Porém, até o lançamento do IPTU, Erdmann deve permanecer onde está.

Já os motivos políticos que causaram a mudança são dois. O DEM, de Possamai, não tem representação na Câmara, leia-se voto, enquanto o PSD, que acena com aproximação, tem dois.

E, sobretudo, não se pode esquecer que no pleito do ano passado o DEM decidiu arriscar e lançar como candidato a deputado estadual o então secretário de saúde Jonas Germano Schmidt.

Jonas fez 3.942 votos, não se elegeu e, na visão de muitos líderes da aliança MDB/PP, tirou a vaga de Dieter Janssen.

Filiados ao DEM também não teriam se engajado na campanha de Carlos Chiodini á Câmara Federal e devem ser convidados a se retirar das funções. Na política, cedo ou tarde, a fatura chega. O que fica de recado é que o governo espera mais resultado e também fidelidade dos aliados.

Possamai afirma que DEM sabia do risco

Sem mágoa, é assim que Ademar Possamai resume a saída da Prefeitura. O ex-vereador diz que fica até sexta-feira no comando do Issem e depois entrega a pasta ao substituto.

“Não rompemos com o governo e nem com ninguém, mas o DEM ao lançar candidatura no ano passado sabia dos riscos. A gente é consciente”. A sigla, segundo ele, deve agora se reestruturar para eleição de 2020.

Oráculo 2020

Com as últimas movimentações de bastidores, o chamado oráculo da política já começa a fazer suas projeções. Em Jaraguá, o cenário eleitoral para 2020 se desenha com duas ou três candidaturas competitivas.

Pelo governo, a dobradinha pode ser entre Antídio Lunelli (MDB) e Alcides Pavanello (PSD), tendo o PP na aliança. No outro lado, pelo PSL, Moacir Bertoldi deve ser a aposta do deputado Fabio Schiochet. O ex-prefeito pode ter de vice Fedra Konell.

A delegada tem mantido conversas frequentes com o PSDB. A terceira opção deve vir do Novo, com Leandro Schmöckel ou outra liderança de fora da política. A conferir.

Prioridades de SC

Após a conturba eleição para a presidência do Senado, o senador Jorginho Mello (PR) se encontrou com o ministro da Casa Civil, Ônyx Lorenzoni, e combinaram de realizar uma agenda oficial para tratar de investimentos para Santa Catarina.

Além das conclusões das obras nas rodovias federais, Jorginho cobrou a necessidade de um novo Pacto Federativo que irá deixar mais dinheiro para os Estados e municípios.

Atualmente, 67% dos recursos arrecadados ficam concentrados com o Governo Federal. Jair Bolsonaro já havia, na campanha, declarado simpatia ao tema.

Sob gestão de Gruner

As sessões da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul serão retomadas hoje, logo mais às 17h30. O novo presidente da Casa, Marcelindo Gruner (PTB), promete apresentar projeto que cria um Conselho de Ética, e também uma proposta de reestruturação do setor de T.I.

Avevi fará formação

A Avevi (Associação de Câmara e Vereadores do Vale do Itapocu) agendou para o dia 13 de fevereiro a primeira assembleia deste ano. Segundo Arlindo Rincos, que preside a entidade, a meta principal para 2019 será a realização de curso de formação para possíveis candidatos a vereador.

Nomeação repercute

A nomeação de Gleison Collares para Gerência Regional de Educação ainda repercute. No fim de semana, o sindicato dos professores e a União Brasileira das Mulheres divulgaram nota de repúdio.

Em resposta à coluna, a Casa Civil disse os profissionais do governo do Estado precisam atender critérios técnicos e, mesmo após nomeados, são acompanhados e avaliados rotineiramente.

“Cada caso terá o seu devido acompanhamento, a fim de que todos estejam alinhados ao compromisso de melhorar os indicadores da rede estadual de ensino catarinense”.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?