Pré-candidato ao Senado pelo PT, o desembargador aposentado Lédio Rosa de Andrade esteve nesta quinta-feira, 5, em Jaraguá do Sul. Visitou a redação do OCP acompanhado da pré-candidata a deputada estadual Mari Câmara, professora da rede estadual.

Com 35 anos de atuação no Judiciário e professor de Direito na UFSC, Lédio diz que escolheu se filiar ao PT por afinidade ideológica e acredita que o momento é bom para sigla em Santa Catarina.

“Nessa altura, em outros anos, os candidatos do PT apareciam com 1%, 2% nas pesquisas, o Décio Lima já tem 12%. Em alguns levantamentos aparece em segundo lugar”, compara.

Para Lédio, a liderança do ex-presidente Lula – mesmo preso - é resultado do “desgoverno de Temer”.

“Muitas pessoas que bateram panela contra o PT agora estão com as panelas vazias. O Lula foi o cara que mais desenvolveu políticas sociais no Brasil. E isso não é dito por mim, é levantamento da ONU. Eu como professor universitário cito que antes do PT só dava aula para branco e rico, agora não. As cotas e o Prouni mudaram a realidade”.

O pré-candidato afirma ainda que o Judiciário é político porque é feito de pessoas e diz que no seu ponto de vista a condenação de Lula é insustentável.

“Eu não sou extremista do PT que acha que tudo é perseguição. Sei que o partido cometeu muitos erros que precisam ser corrigidos, agora o processo contra Lula não se sustenta, tem falhas graves. As decisões foram extrajurídicas, de ordem política e seguindo interesses que eu nem sei quais são. Por mais que o Lula tenha sido ruim, será que ele foi pior que os outros para justificar tanto ódio? Ainda bem que não tem pena de morte no Brasil, caso contrário já tinham matado o Lula”, defende Lédio.

Quer receber as notícias no WhatsApp?