O mês de junho está prestes a começar e com isso aumentam as expectativas sobre o que será a eleição deste ano. Se o cenário já era incerto em função de todos os episódios envolvendo a Lava Jato, a paralisação dos caminhoneiros e o apelo popular por mudanças colocaram ainda mais interrogações nessa conta.

Somado a isso, o pré-candidato que lidera as pesquisas de intenção de voto para a presidência está preso e impedido de concorrer. O segundo colocado é um tanto quanto polêmico e bastante radical, em dias de radicalismo por todas as partes.

Se em 2013 os protestos contra os reajustes das passagens de ônibus tomaram o país e foram ganhando dimensões políticas no decorrer do tempo, o que acabou culminando com a disputa eleitoral mais acirrada e baixa da história, e depois no impeachment de uma presidente e todas as consequências, agora, em 2018 foi o preço do diesel o combustível para a comoção social.

Embora o pano de fundo tenha sido, tanto antes quanto agora, a luta não foi por centavos. A maior diferença é que dessa vez uma parte nem tão pequena da população demonstra ter perdido a fé na democracia, o que é um risco. Se esse modelo é imperfeito, o que dizer de um regime autoritário onde nem o contraditório tem espaço?

A democracia dá trabalho, é cansativa, tem suas falhas.  É preciso negociar, ouvir a população, conciliar interesses, pensar no bem coletivo. A classe política é imperfeita, o sistema político precisa ser transformado, os privilégios precisam ter fim.

Que tal cobrar isso de todos dos candidatos que vão concorrer agora em outubro? É um bom começo, bem melhor do que o retrocesso. A escolha, com ou sem surpresas, é nossa.

Representatividade

A vereadora mais jovem da história de Corupá, Andressa Fischer (PP), retornou aos trabalhos no Legislativo e teve auxílio do filho Harã. A representação feminina na política é importante, entre outras coisas, para que as necessidades das mulheres tenham espaço nos debates e projetos.

Semana de Ética

A Avevi promove a partir de segunda-feira a Semana de Ética e Cidadania na Escola Miguel Couto, em Schroeder. O evento é realizado pela Escola do Legislativo Vereador Marcos Mannes e prevê diversas palestras até sexta-feira.

Incentivo à nota

Depois de quatro pedidos de vista, os vereadores aprovaram, em primeira votação, o projeto de lei que institui o Programa de Incentivo à Emissão da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e), pelos tomadores de serviço, em Jaraguá do Sul. Os prêmios devem ser estipulados pelo governo após a eleição de outubro.

Em Foco

  1. Pedir a queda do presidente Michel Temer a essa altura do campeonato é ingenuidade ou ignorância. Mas há de se concordar que a paralisação dos caminhoneiros mostrou como falta ao governo credibilidade, poder de ação e autoridade. As mudanças de versões nas falas do ministro da Fazenda também não colaboraram;
  2. A conta será paga por nós. O combustível baixou, mas o que o brasileiro fez, nesse caso, foi só empurrar a fatura para depois;
  3. Os últimos acontecimentos marcam uma nova oportunidade para o país discutir profundamente e sem ranços políticos a situação da Petrobras;
  4. “Eu destruo eles (MDB) antes pelo caminho da democracia”. Do pré-candidato à presidência da República, Ciro Gomes (PDT), em entrevista ao Roda Viva desta semana ao dizer que o partido de Michel Temer desestabilizou o governo de FHC e destruiu eleitoralmente o PSDB nacional fazendo o mesmo anos depois com Dilma e o PT;
  5. Lideranças políticas e empresariais cobraram do governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) maior rigor e rapidez na liberação dos 179 pontos de bloqueio da greve dos caminheiros nas estradas de Santa Catarina. O Estado é um dos últimos a ter a situação a caminho de ser normalizada.