Foto: Piero Ragazzi
Foto: Piero Ragazzi

O Transtorno de Dor Gênito-Pélvica/Penetração passou a englobar os diagnósticos de dispareunia e vaginismo, e a duração dos sintomas deve ser de pelo menos 6 meses. A mulher pode ter um dos seguintes sintomas: dor na vagina e ao redor dela, dificuldade à penetração vaginal, medo associado à penetração vaginal, tensão da musculatura da região da genitália à tentativa de penetração.

Com relação aos transtornos de dor referentes, especificamente, à vulva (parte externa da genital), temos situações com causas bem definidas, que podem ser: de origem infecciosa (herpes genital, candidíase), inflamatória (como líquen), neoplásica, iatrogênica (pós-radioterapia por exemplo), hormonal. E situações que não apresentam uma causa definida.

Estima-se que a dispareunia afete seis milhões de mulheres nos Estados Unidos, e aproximadamente 15 a 20% das mulheres com idades entre 18 e 64 anos. No Brasil os estudos dizem que em média 18% das mulheres sofrem com esse problema.

Dispareunia é a presença de dor genital durante a relação sexual associada a fatores físicos e/ou psicológicos. Pode ser dor superficial ou profunda.

A dispareunia superficial refere-se à dor percebida na região da entrada da vagina no início da penetração, ou com o movimento do pênis dentro da vagina, durante a relação sexual, e pode ter múltiplas causas, principalmente relacionadas com alguma doença como: atrofia da parede vaginal na pós-menopausa, ressecamento vaginal pelo uso de anticoncepcionais hormonais, infecção de urina, lubrificação vaginal inadequada, prolapso (a popular bexiga caída), líquen (doença da pele), dentre outras.

Já a dispareunia de profundidade, na qual a dor se manifesta no fundo da vagina e no “pé da barriga”, está frequentemente associada com dor que se reproduz em outras situações fora do

ato sexual e dor crônica na barriga. Pode ser persistente, quando a dor ocorre em todas as relações, ou condicional, quando a dor apresenta-se em algumas posições, tipo de estimulações ou relacionada a um parceiro específico.

Vulvodínia é a dor vulvar sem causa, de pelo menos três meses de duração. É comumente referido como dor tipo queimação e deverá estar associado à ausência de doenças infecciosas, inflamatórias, neoplásicas (câncer) ou neurológicas. Dentre os fatores hormonais, o estrogênio baixo associado a menopausa tem importante papel já que pode levar ao aumento de terminações nervosas na vagina e ao seu redor.

Vaginismo é caracterizado como a dificuldade na penetração vaginal associada a dor, medo e contração da musculatura da região da genitália no momento da relação sexual. As causas ainda não estão bem esclarecidas mas acidentes na parede vaginal e cirurgias prévias podem ser fatores desencadeantes.

Fatores psicológicos também podem interferir, pois o medo de que a sensação dolorosa volte a aparecer pode fazer com que a mulher apresente postura de defesa, contraindo, sem vontade própria, os músculos da região, levando a persistência da tensão e dor na relação.

Falaremos mais sobre os transtornos de dor relacionada ao ato sexual na próxima semana. Para saber mais sobre o assunto e tirar suas dúvidas, marque uma consulta com o seu ginecologista de confiança.

Onde encontrar

O Dr. Marcelo Langer atende apenas consultas particulares na Policlínica Rio Branco que fica na Rua Barão do Rio Branco, 207, sala 5, no Centro de Jaraguá do Sul. Contato pode ser feito pelo telefone: 47 3275-1063 ou 47 99924-7779 (Whatsapp). Fique por dentro das novidades pelo Facebook e Instagram: @drmarcelolanger.