Toda evolução da medicina com cuidados preventivos, tratamentos mais eficientes e cuidados pessoais como alimentação equilibrada e atividade física tem contribuído para aumentar, de forma significativa, a expectativa e qualidade de vida da população, sendo assim, os idosos estão mais saudáveis, mais dispostos e com alegria de viver.

Claro que quanto mais vivemos, mais alterações nosso organismo apresentará, o que é normal. Lembro de ter ouvido em uma oportunidade que a única forma de não sofrer as consequências do envelhecimento é morrer jovem, mas penso que não é desejo da maioria das pessoas.

Os profissionais que cuidam da saúde trabalham na compensação dessas alterações, cada especialidade tem seus cuidados específicos e orientações com este objetivo. A odontologia também pode contribuir de forma significativa para este fim.

As alterações do ponto de vista odontológico dividem-se em grupos, vamos a eles:

- Alterações de fluxo salivar: o avançar da idade e o uso contínuo de medicamentos, como anti-hipertensivos, antidepressivos, e ainda outros grupos de medicamentos pode gerar redução na quantidade e qualidade da saliva. O impacto desta alteração pode ser menor ou maior de acordo com características individuais, é comum relatos de sensação de queimação na boca, boca seca atrapalhando a fala e aos que usam próteses totais a redução da estabilidade das mesmas, bem como aumento da ocorrência de cáries devido a redução da atividade protetiva da saliva.

- Doença periodontal: também conhecida como doença de gengiva, ela pode acometer em todas as faixas etárias, porém pode ter seu quadro agravado por alteração da qualidade da escovação, em casos onde a habilidade de escovação e do uso do fio dental foi diminuída pela perda da firmeza da mão ou dificuldade na visão, faz aumentar a quantidade de placa bacteriana promovendo sangramento e perda das estruturas de suporte do dente.

- Alterações dentais: desgastes promovidos pela função mastigatória e pelo histórico de restaurações alteram a anatomia original, hábitos parafuncionais como o bruxismo aumentam o nível de perda da estrutura e fraturas também podem aparecer. Nestes casos pode ser necessária uma intervenção mais ampla.

As perdas dentais contribuem fortemente para o desequilíbrio e a análise das alternativas com o correto diagnóstico, planejamento e execução tem a capacidade de recuperar a forma e função perdidas. Muitas vezes lançamos mão de ortodontia (aparelho) para melhorar a posição de dentes antes das próteses, isso mesmo, aparelho não é só para os jovens, claro que a condução deste tratamento deve ser cuidadosa, principalmente em caso de alterações gengivais, por isso uma análise multidisciplinar é necessária.

Com a alteração do posicionamento da gengiva e consequente exposição de parte da raiz associado a redução do fluxo salivar o risco de cáries é aumentado e os cuidados com remoção da placa bacteriana devem ter mais atenção, escovas elétricas podem compensar as dificuldades motoras, basta um treinamento com a pessoa e a eficiência é aumentada.

Existem aparelhos, irrigadores bucais que aplicam água sob pressão e também auxiliam na remoção de placa, embora este artifício seja mais usado por portadores de próteses fixas sobre implantes maiores e pessoas que usam aparelhos ortodônticos.

- Cuidados pré-cirúrgicos devem receber mais atenção, as alterações de saúde são mais comuns com o avançar da idade, porém isso não contraindica procedimentos clínicos nem cirúrgicos, é necessário conhecer adequadamente as patologias, medicamentos usados e medidas necessárias para controle, o contato com os demais profissionais de saúde também deve ser rotina.

O ponto principal é trabalhar para que a qualidade de vida e autoestima sejam preservadas, o avançar dos anos é inevitável para todos, apenas não podemos ficar “velhos”, manter-se ativo e cuidar da saúde só traz benefícios, cuide e cuide-se!

Dr. Luciano Drechsel - Mestre e especialista em Prótese Dentária, Especialista em Implantodontia e especializando em Odontologia Digital, Professor de Prótese Dentaria da FURB e coordenador do curso de especialização em Implantodontia e Prótese Dentária do Grupo Harmonique em Blumenau.