Hoje reservei este espaço para tratar de um assunto muito importante: o câncer de boca. A palavra Câncer vem do grego Karkinos que significa caranguejo e foi utilizada pela primeira vez por Hipócrates, considerado por muitos, como o pai da medicina que viveu entre 460 e 377 A.C.

Câncer é o nome geral dado a um grupo de doenças que apresentam em comum o crescimento desordenado de células que tendem a invadir tecidos, órgãos vizinhos ou distantes. Quando acomete a cavidade bucal ela recebe o nome de câncer de boca.

Neste caso, ela é considerada um tumor maligno que afeta lábios e todas as estruturas bucais como gengivas, bochechas, céu da boca, e língua (principalmente as bordas e a parte inferior).

No ano de 2018, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) 14,7 mil pessoas foram diagnosticadas no país, sendo 11,2 mil homens e 3,5 mil mulheres. Além de ser mais comum nos homens, a idade também é importante. É mais comum este diagnóstico acontecer em pessoas acima dos 40 anos, porém ela pode acontecer em todas as idades.

O consumo de álcool e fumo (incluindo os narguilés) aumentam as chances do aparecimento da doença e também a infecção pelo vírus HPV e a exposição ao sol sem proteção, representam riscos importantes para o câncer de boca.

A percepção de alterações nos tecidos ajuda muito no diagnóstico precoce. Os principais sinais que devem ser observados são: lesões na cavidade bucal ou nos lábios que não cicatrizam por mais de 15 dias, manchas ou placas esbranquiçadas na língua, gengivas, céu da boca ou bochecha, nódulos no pescoço, dificuldade para mastigar, engolir, falar, para movimentar a língua ou rouquidão persistente.

Claro que não é agradável falar sobre uma doença tão estigmatizada, mas a agilidade e o início das terapias são fundamentais para o sucesso do tratamento. Estatísticas confirmam que 80% dos casos diagnosticados e tratados precocemente tem cura.

Uma noticia excelente para os jaraguaenses é o acesso ao serviço de diagnóstico e tratamento de câncer bucal totalmente gratuito oferecido pelo Centro de Especialidades Odontológicas da cidade.

Em caso de suspeita, fazem-se exames mais aprofundados, por vezes coletando amostra da área (biopsia) e depois encaminhando ao patologista para análise. Confirmado o diagnóstico, o tratamento é estabelecido juntamente com a equipe médica.

Claro que muito melhor do que tratar é prevenir, escovação bem feita associada ao uso do fio dental, hábitos alimentares saudáveis rico em frutas e verduras, redução do consumo de álcool principalmente destilados, redução do fumo, uso de preservativos na prática do sexo oral (em função do HPV), reduzem em muito o risco de câncer bucal e de outros tipos de câncer também.

Dr. Luciano Drechsel é Mestre e especialista em Prótese Dentária, especializando em Implantodontia e Odontologia Digital, Professor de Prótese Dentaria da FURB e coordenador do curso de especialização em Implantodontia e Prótese Dentária do Grupo Harmonique em Blumenau