E vamos falar hoje sobre a Miss Simpatia em pessoa, né? A Bel é uma ariana porreta que sempre sabe o que quer!
Ela me procurou antes de engravidar, fizemos exames pré-concepcionais, e tudo ok, ela logo engravidou, até seu útero a obedeceu. Na gestação, tivemos alguns sustos, logo no início o Gael cismou em não querer que eu o ouvisse, tímido, esse menino. Mas pedi para a Bel voltar em alguns dias e na próxima vez não falhei, lá estava nosso menino firme e forte, seu coração batendo a mil por hora!
Ok... Nem tanto, 160 batimentos/minuto, mas estava excelente para aquela idade gestacional. Outro susto foi uma anemia persistente, a qual mudava muito pouco com as medicações, até pedimos ajuda para um especialista, mas com o tempo os exames foram melhorando. Haja intestino para aguentar tanto ferro.
A pressão também teimou em fugir do controle algumas vezes, então fazíamos exames, controlávamos a pressão, mas nunca sentimos uma real necessidade de entrar com medicação.
Com 37 semanas a Bel me referiu algumas contrações, mas nada de aumentar a dilatação, ficamos de ver na próxima semana, mas as contrações voltaram a incomodá-la, e no sábado: outro susto.
Mas dessa vez foi um sustãoooooo! O Gael parou de mexer por completo de sexta para sábado. Mandei a Bel ir para o hospital e fazer exame da cardiotocografia (apelidada carinhosamente de “cardiotoque” pelas pacientes), mas não contente resolvi adiantar as minhas visitas do dia (eu precisava ver a Jenifer, cujo bebê Liz tinha nascido 2 dias atrás), e fui eu mesma avaliá-la (eu não saía daquele hospital naquele final de semana mesmo).
O exame estava ótimo, o coração do Gael estava bem e ele oxigenado, contudo as contrações aumentaram e a dilatação também, mas pouca coisa, 2 centímetros. Maaaaaaas quem acompanha os contos de pré-natal lá do Instagram sabe que tem mãezinhas que ficaram 2 meses com 4 cm de dilatação, então, podíamos esperar um pouco mais, e as contrações estavam beeeem espaçadas naquele momento.
A Bel estava era preocupada mesmo que o Gael não mexia direito, continuamos nos falando o dia inteiro e de noitinha a Bel me avisa que as contrações voltaram, estavam uma atrás da outra e então não havia mais o que esperar.
Estávamos com 38 semanas e 4 dias, e era quase meia noite quando o Gael nasceu! E olha que legal, a Gi que sempre me acompanha nas cesáreas é uma velha conhecida da Bel, e elas se reencontraram naquele momento tão íntimo e mágico!
Tem coisas que são para ser mesmo!!
Um pouquinho depois que o Gael nasceu ele começou a ficar meio cansadinho, o meu ouvido treinado e o da Gi já disparou e pedimos para que ele fosse reavaliado, né que o nosso pequeno príncipe estava precisando de uma ajuda mesmo?
Mas nada que um calor de incubadora e um pouquinho de oxigênio ambiente não consertem, naquela madrugada mesmo o Gael voltou para os braços da mãe!
A história não podia terminar sem um último susto nééé, dona Bel? E aquela pressão alta? Nem deu mais as caras, Bel ficou ótima. Sua lindaaaaaa, nem sei o que te dizer, vou morrer de saudades da sua risada, dos seus “nés”, do seu bom humor e praticidade!
A gente se apega as pacientes e depois morre de saudades quando o pré-natal acaba! E Seu Jackson cuide bem dessa menina que ela vale ouro!!! Muita luz para vocês, família!