Foto Bro-Media
Foto Bro-Media

Em 2020, face o Covid-19, vivemos uma quaresma em quarentena. A quaresma, precedente à páscoa, é tempo para conversão espiritual, com reflexos positivos na vida pessoal e relacional. Tempo de arrependimento, de mudar para melhor e viver mais próximo do exemplo de Cristo.

Por sua vez, quarentena significa reclusão, vigilância ou observação pelo período de incubação de alguma doença. Termo este originado da prática medieval de manter sem comunicação, em portos, durante quarenta dias, navios procedentes de determinadas áreas, sobretudo do oriente. Coincidência ou não, lá está a China, berço do vírus devastador.

Como algo mais em comum, vários historiadores consideram quaresma e quarentena contribuições fundamentais a práticas de saúde pessoal e pública, cujas importâncias custaram a ser reconhecidas, principalmente, porque contágios, por muito tempo, estiveram associados à concepção ontológica de contato com espíritos demoníacos.

Neste contexto de privações e provações, vale lembrar de Charles Darwin e sua teoria sobre a evolução e seleção natural das espécies: “não são as espécies mais fortes que sobrevivem, nem as mais inteligentes, e sim, as mais adaptáveis a mudanças”.

Indiscutivelmente, há uma relação forte entre a Teoria da Evolução e a carreira profissional. No reino animal e ambiente laboral, a evolução nunca acontece numa única direção. A girafa de pescoço grande não foi a única opção evolutiva, mas a que deu certo e fez a vida seguir naquela direção para alcançar as folhas verdes do alto das árvores em tempos de seca.

Já para os elefantes, de maneira diferente, o que funcionou foi um crescimento desproporcional do nariz, a tromba, para alcançar as mesmas folhas que as girafas buscavam.

Também no ambiente profissional, para o passo seguinte, inúmeras hipóteses são testadas e a imensa maioria falha. Mas, aquela hipótese, a "verdadeira", guia a caminhada profissional para um patamar acima.

Como no caso da girafa e do elefante, profissionais são distintos entre si, ou seja, nem tudo o que funciona para um, funciona para o outro. É a validação da hipótese "verdadeira" que determinará o futuro profissional.

Em resumo, a evolução profissional não acontece por acaso e nem da mesma forma. Surge de uma necessidade de mudança e adaptação, bem como do forte desejo de seguir em frente.

A partir deste momento de mundo “de cabeça pra baixo”, o caminho e a velocidade da evolução precisam ser revistos, em nome da sobrevivência e diferenciação profissional, pois, diferentemente do que acontece com os seres vivos, com a evolução levando milhares e até milhões de anos, na economia disruptiva, ela precisa acontecer todos os dias.

Pois, então, como será após esta Páscoa, pós-quarentena e quaresma superpostas? Fisiologicamente, da quarentena espera-se sair ileso e imunizado. Mental e profissionalmente, da quaresma, aperfeiçoado?

Em resumo, todo profissional deve ser útil à sociedade, segundo suas competências e valores morais, administrando progressivamente seus conhecimentos e talentos.

E, sob a ótica transcendental, cada qual deve se perguntar se seus dons concedidos gratuitamente por Deus estão sendo desenvolvidos, com determinação e trabalho, para agregar valor ao coletivo.

Contudo, como lembra Madre Teresa de Calcutá, “Deus não nos exige que sejamos sucesso, só exige que tentemos!”

Disponível para compra na Grafipel, em Jaraguá do Sul. Também com dedicatória personalizada, diretamente com o autor.

Emílio da Silva Neto

Dr.Eng. Industrial, Consultor/Conselheiro/Palestrante/Professor (*) Sócio da ‘3S Consultoria Empresarial Familiar’ (especializada em Processo Decisório Colegiado, Governança, Sucessão, Compartilhamento do Conhecimento e Constituição de Conselhos Consultivos e de Família). Doutor em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Curriculum Vitae: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4496236H3

Tese de Doutorado: http://btd.egc.ufsc.br/wp-content/uploads/2016/08/Em%C3%ADlio-da-Silva.pdf
Contatos: emiliodsneto@gmail.com | (47) 9 9977-9595 | www.consultoria3S.com