Um dos elementos característicos que moldam a identidade cultural de Jaraguá do Sul é o tiro esportivo. Um esporte praticado com armas de fogo ou de ar comprimido, cuja prática requer muita precisão, disciplina, controle emocional, respiratório e, sobretudo, concentração.

Sua história tem início na Europa, por volta do século XIV, quando corporações militares se transformavam em sociedades esportivas e recreativas. Essa tradição chega ao Brasil no século XIX trazida, notadamente, por alemães e italianos. Curiosamente, o tiro esportivo integra as modalidades das Olimpíadas desde a primeira edição dos jogos na Era Moderna em 1896 em Atenas.

Não se fez presente em apenas duas edições: Sant Louis em 1904 e em Los Angeles em 1928. A primeira participação brasileira em Olimpíadas foi nos Jogos Olímpicos de 1920, em Antuérpia, Bélgica.

Aqui em Jaraguá essa história tem início em 1906, com o surgimento da Sociedade Atiradores Jaraguá, fundada por Willy Bartel, Francisco Fischer e Reinoldo Rau. Mais tarde, em 1959, cria-se o Clube de Tiro, Caça e Pesca Marechal Rondon, tendo entre os fundadores, Roland Janssen, Murillo Barreto de Azevedo, Getúlio Barreto da Silva e Amadeus Mahfud.

Vale destacar que o respeito e zelo por essa tradição, fez de Jaraguá do Sul uma potência esportiva dessa modalidade no estado e no Brasil. Ademais, gerou manifestações culturais importantes como a Schützenfest, e com ela, a gastronomia, a música, a cerveja e o entretenimento.

Portanto, ao contrário de alguns poucos desavisados, acerta no alvo quem compreende nosso tiro esportivo como uma rica, pacífica e autêntica manifestação cultural, com expressiva força de unidade social e identidade histórica.