Comemora-se nesta sexta-feira, 1° de outubro, o Dia Internacional do Idoso. De antemão, cabe salientar que ser idoso não pode significar, necessariamente, ser velho. A propósito, ser velho independe de idade cronológica.

De qualquer forma, a Lei 10.741 de 2003, do Estatuto do Idoso, estabelece os direitos que devem ser assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 anos. Entretanto, convencionou-se socialmente que a velhice vem com a idade, e que ela é decorrente da quantidade de tempo vivido.

Ocorre que o tempo é relativo e a vida é efêmera. Sendo assim, há os que optam por tempo de vida, e os que preferem vida no tempo. Os idosos que não são velhos, alcançam tempo de vida nutrindo muita vida no tempo.

A longevidade não é uma vontade ou característica exclusiva da pessoa, mas depende também do meio em que ela está inserida.

Jaraguá do Sul reúne condições diferenciadas, que tem garantido um crescente contingente de idosos saudáveis física e mentalmente. Nossos bons indicadores de emprego, saúde, educação, segurança e saneamento, contribuem para a sua qualidade de vida.

No entanto, o mais importante é assegurar seus direitos sociais. É preciso promover sua autonomia, integrando-o ativamente na sociedade, garantindo saúde, segurança, trabalho, assistência social, transporte, educação, cultura, esporte, habitação, entre outros.

Desta forma, os idosos que aqui vivem, não só emplacarão a segunda metade da vida, como alcançarão a segunda juventude, mas, com a bagagem da experiência, prazer, sabedoria e anseio pelo novo. Longa vida aos idosos.