O momento mais crítico da pandemia do novo coronavírus foi ultrapassado, e a atual estrutura da saúde já não apresenta risco de colapso. Mas a guerra não acabou.

O Brasil vacinou até ontem, 157,7 milhões de brasileiros com a primeira dose, contra a Covid-19, representando 74% da população. Ao passo que 47,4 milhões já receberam a segunda dose, equivalendo a 22%.

O Estado de Santa Catarina ultrapassou, nesta semana, a marca de 70% da população adulta vacinada com a primeira dose. O vacinômetro do estado registrou, nesta quarta-feira (11), que 3,9 milhões de catarinenses já receberam a primeira dose do imunizante.

Em Jaraguá do Sul, 69% da população adulta receberam a D1 e 28% a D2. Embora o município reúna capacitação, organização e estrutura adequada para vacinação de forma célere, isso não reflete a realidade brasileira.

Alguns fatores comuns atravancam o bom desempenho da imunização, quais sejam: i) interrupções no fornecimento; ii) escolha da marca do imunizante; iii) descrença sobre a eficácia; iv) renúncia; v) desistência; vi) desinformação, entre outros.

Portanto, ressaltamos o que temos defendido nesse espaço editorial: deve-se respeitar a decisão de cada cidadão, mas é preciso salientar que saúde pública é coisa séria, e deve estar acima de ideologias e retóricas extremistas infundadas.

O momento pede atenção e cuidado para com a nova variante delta. Por isso, a Secretaria de Saúde do município, reforça a importância da vacina e lembra que todos os imunizantes oferecidos são eficazes contra o coronavírus, e cientificamente seguros.

Alerta, também, para a importância de continuar se obedecendo aos protocolos de segurança estabelecidos pelas autoridades sanitárias. A consciência coletiva é uma poderosa aliada nessa luta. Respeite os protocolos e vacine-se.