Estamos nos aproximando do verão, período mais propício à proliferação do mosquito Aedes aegypti, causador da dengue, zika e chikungunya.

Como se não bastasse a intensa guerra contra a Covid-19, precisamos nos resguardar, também, dos efeitos nocivos desse mosquito. Então, se já conhecemos as recomendações sanitárias contra a Covid-19, somam-se a estas, as ações de combate ao Aedes aegypti.

De antemão, vale ressaltar que, de acordo com o Ministério da Saúde, 80% dos criadouros estão nas residências. Portanto, a prevenção e defesa sempre serão as melhores armas contra qualquer ameaça. Como já amplamente divulgado pelos meios de comunicação, qualquer lugar que possa acumular água é um potencial criadouro do mosquito.

Além disso, seu ciclo de reprodução é extremamente rápido. Do ovo à forma adulta, transcorrem 5 a 10 dias apenas. O número de focos deste ano supera os do ano passado. Por isso, é importante que a população incorpore a cultura da prevenção, semanalmente, interrompendo o ciclo biológico do mosquito, e não apenas em períodos de verão.

Significa adotar boas e regulares práticas de limpeza em locais como: ralos; calhas obstruídas; bebedouros de animais de estimação; vasos de plantas e quaisquer outros objetos que possam acondicionar água parada.

Matéria do OCP, fornece detalhes técnicos e orientativos sobre a intensidade e locais de maior incidência dos focos do mosquito no município. Embora agentes de endemia da Prefeitura Municipal já estejam atuando no combate, esta missão só terá êxito com a colaboração e responsabilidade de todos.

 

Telegram Jaraguá do Sul