Neste período de recesso, enquanto aproveitava para visitar parentes e amigos no interior do Rio Grande do Sul, me chamou a atenção uma frase dita por um conhecido entre uma conversa e outra: “meia hora de planejamento, vale dois dias de trabalho”.

A frase, que certamente pode ser dita com outras palavras, vem carregada de conhecimento popular, mas que, não obstante, traz uma importante reflexão, quer seja para objetivos pessoais, ou de uma organização.

O planejamento estratégico de uma empresa está intimamente ligado ao atingimento do seu sucesso, fazendo com que a organização defina sua missão, sua visão e seus valores, analise os ambientes interno e externo, definindo suas metas e objetivos, para assim traçar um plano de ação. Com base nisso, serão mensurados e acompanhados seus resultados.

Certamente seus objetivos já estão definidos, contudo, o ano de 2022 promete ser atípico, exigindo um olhar “macro” sobre as perspectivas para se fazer o refinamento das estratégias para que sua organização tenha um ano de sucesso.

O que esperar de 2022? Muito mais do que um ano de copa do mundo, que aliás, começará mais tarde (em setembro) para se adequar ao calor desértico do Qatar, o ano de 2022 começa com a expectativa da transformação da pandemia em uma endemia.

Como nos mostrou o ano de 2021, a COVID-19 não vai sair do cenário tão facilmente, porém, em 2022 a veremos ganhar contornos de uma doença de foco regional, de forma que os países, regiões ou cidades que possuem maior nível de segurança epidemiológica, certamente estarão na frente, tendo menos restrições e empecilhos para a continuidade das suas atividades e retomada das atividades normais. Vacinas mais específicas para a variante “ômicron” já estão sendo prometidas para o mês de março.

No campo político, em 2022 a polarização político-partidária pode se tornar ainda mais acalorada, o que traz riscos de instabilidade para o mercado, já que um país dividido desvia seu foco para questões internas ao invés de se manter atento ao crescimento e solução dos problemas econômicos. Um cenário instável pode se tornar menos atrativo para investidores.

Até outubro podemos esperar debates acirrados, estratégias e alianças políticas inesperadas.

Longe da questão política, o ano de 2022 deve demonstrar a consolidação das tecnologias que muito ouvimos falar em 2021. O “metaverso” deve se tornar uma realidade mais presente nas nossas vidas, já que o aplicativo “oculus”, utilizado para os óculos de realidade aumentada do Facebook (Meta), foi o mais baixado na semana do natal, com mais de 1 milhão de usuários. Empresas como Nike, Adidas, Ray-ban e outras grandes marcas já fizeram seus investimentos na plataforma. Certamente esse é um caminho sem volta.

A consolidação das criptomoedas também já é uma realidade, com empresas como MasterCard e PayPal representando a soma de novas e importantes marcas neste tipo de transação em 2021, o que está incentivando tantas outras.

Ou seja, 2022 já começou com a perspectiva de muitos desafios e oportunidades.

Aquele que melhor se planejar para encará-lo certamente terá o melhor aproveitamento das oportunidades, melhor desempenho e eficácia nas suas atividades, melhor relacionamento com o mercado, além da melhoria das informações, tornando as tomadas de decisão mais seguras e acertadas. Você está preparado?

Seja bem-vindo 2022, já estávamos a sua espera!

Artigo elaborado pelo advogado Lucas Cerutti Ponssoni, inscrito na OAB/SC n.º 32.684, graduado em Direito pela Universidade Regional Integrada – URI, pós-graduado em Direito e Processo do Trabalho pela AMATRA/12 e em Direito Previdenciário pela LFG/ANHAMGUERA. Atua na área de Direito do Trabalho na Mattos, Mayer, Dalcanale & Advogados Associados.