Você sabia que uma das doenças que mais aposentam e afastam pessoas de seus trabalhos são doenças do nervo ciático?

A principal queixa nesses casos são dores que descem pela perna, podendo se manifestar no glúteo, coxa, panturrilha e até nos pés.

Qualquer lesão do nervo ciático tem que apresentar esses sintomas que chamamos de irradiação, se a dor se encontra apenas na coluna lombar, por exemplo, dificilmente haverá uma lesão ou compressão do nervo.

Mas, o que nos leva a ter esse tipo de lesão? O mais comum é a hérnia de disco, que dependendo do tamanho e localização pode gerar uma compressão do nervo, fazendo com que apareça a irradiação.

Lesões musculares, ligamentares, perto do nervo podem também gerar essa irradiação, isso porque a inflamação gerada por essa lesão ataca o nervo também, fazendo com que a irradiação apareça. Felizmente, como já disse anteriormente, 95% das hérnias de disco não necessitam de cirurgia.

Isso ocorre porque o nervo ocupa apenas 20% do espaço de onde ele sai da nossa coluna. Seria necessária uma hérnia que ocupe 81% desse espaço para haver uma compressão efetiva em cima desse nervo.

Nesse caso, o tratamento passa por uma descompressão do nervo, melhora da mobilidade da coluna e, por fim, exercícios que fortaleçam os músculos estabilizadores da coluna. É muito importante que o paciente entenda a importância da reeducação postural para que ele não volte a ter crises de dor.

Essa educação vai desde a postura sentado a como pegar peso do chão ou um simples escovar os dentes. Outro tipo comum de lesão é a Síndrome do Piriforme.

O piriforme é um músculo que fica de baixo do glúteo, e em alguns casos o nervo ciático passa por dentro dele. Em outros, passa entre ele e o osso do quadril e, quando esse músculo entra em espasmo, acaba pressionando o nervo ciático, gerando irradiação e muitas vezes dando um falso diagnóstico de hérnia de disco.

Aqui, o tratamento é mais simples, pois o que precisamos fazer é melhorar a biomecânica do quadril e achar o motivo do músculo estar entrando em espasmo. Temos também que alongar bem toda essa região e depois fortalecê-la, para que não volte a acontecer. Se você sente qualquer dor que desce pela perna ou que vá da coluna para glúteo, procure tratamento.

Não espere essa compressão se tornar ainda maior, pois, dependendo do tempo e do quanto esse nervo foi pressionado, algumas sequelas podem ser irreversíveis. Portanto, não se encha de remédios e relaxantes musculares, que vão apenas diminuir o sintoma, mas não resolvem o problema.

Se fizermos sempre revisão do nosso carro, por que não cuidamos do nosso corpo? Lembre-se que colhemos o que plantamos agora. Então, faço mais uma vez a mesma pergunta: Como você quer estar daqui 10 anos? Cuide-se e viva uma vida mais saudável e sem dor.