Por ainda não existir um regramento via lei nas Câmaras da região, a questão de vereadores eleitos assumirem cargos de confiança em prefeituras acaba acontecendo.

Ocorre que quando um vereador, que tem a função de fiscalizar as ações do Executivo, legislar e aprovar projetos importantes para a cidade, afastar-se da Câmara para assumir um cargo na prefeitura, causa um grande descontentamento e fere a confiança da população. O eleitor deu seu voto para que o parlamentar atue na Câmara e não na Prefeitura.

Neste ano, a Câmara jaraguaense contou com uma renovação de 80% das cadeiras. Dos 11 eleitos, apenas dois conseguiram se reeleger - Anderson Kassner e Ademar Winter.

Antes mesmo dos parlamentares assumirem em 1º de janeiro de 2021 para o mandato que vai até 2024, a Coluna consultou a todos para saber se vão mesmo cumprir o mandato para que foram eleitos.

Os vereadores responderam a duas perguntas sobre a função deles no Legislativo e se são favoráveis ou não a assumir um cargo no Executivo. As respostas foram unânimes quando disseram que vão cumprir o mandato para que foram eleitos.

Ao longo dos próximos quatro anos o OCP vai seguir acompanhando os atos dos vereadores, assim como se eles vão mesmo cumprir o que responderam aqui.

Confira as respostas (*a ordem é pelo número de votos recebidos):

1 - ONÉSIMO SELL (MDB) – eleito com 3.320 votos

Em primeiro lugar, preciso dizer que sou muito grato a todas as pessoas que votaram em mim. Então, obviamente que terei a maior satisfação em assumir minha cadeira no Legislativo jaraguaense. Vou me inteirar do regimento, dos projetos em andamento, enfim exercer com a máxima dedicação o mandato dentro do projeto político vitorioso que represento, o qual foi avalizado pelos meus eleitores. Sendo assim, estou à disposição desse projeto político. Atuando como vereador, estarei trabalhando a favor de Jaraguá do Sul. O MDB tem uma nominada de pessoas capacitadas, tanto para exercer o Legislativo quanto o Executivo.

2- RODRIGO LIVRAMENTO (NOVO) – eleito com 3.021 votos

É fundamental exercer o mandato até o final com a mesma diligência e empenho que foi posto na hora de pedir voto. Tão importante quanto exercer a função até o final, é respeitar as atribuições de cada poder. Infelizmente, tanto os eleitores como os candidatos, alimentam a cultura de que o vereador deve ser um “assistente social”, fornecendo benesses ou se propondo a fazer uma função inerente ao Executivo. Sou absolutamente contrário o vereador assumir um cargo na Prefeitura. É um desrespeito ao eleitor e a separação dos poderes estabelecida pela Constituição. Assumir um cargo em secretaria significa rasgar o voto do eleitor, um verdadeiro estelionato eleitoral.

 

3 - OSMAIR GADOTTI (MDB) – eleito com 2.537 votos

Penso que o eleitor anseia por alguém que o represente, que possa ser sua voz junto à municipalidade e que contribua, sobremaneira, para fiscalizar os atos do governo, criar e aprovar projetos que venham de encontro às necessidades dos munícipes. Quanto a assumir cargos na administração, penso que o vereador eleito, deve honrar o voto de seus eleitores, cumprindo o mandato. A população escolhe seus candidatos, no intuito de se ver representada. O contrário é oportunismo.

 

4- LUÍS FERNANDO ALMEIDA (MDB) – eleito com 2.249 votos

Acredito ser fundamental para o bom andamento das questões que afetam o cotidiano da cidade, que seus representantes desempenhem com zelo a função de legislar, fiscalizar e cobrar do Executivo as obras e ações importantes para o município e a comunidade. Sou contra o vereador assumir um cargo em Prefeitura. Na minha opinião, é um desrespeito com os eleitores e como se fosse simplesmente rasgar o voto de confiança dado pelo munícipe e jogar na lata do lixo.

 

5- ANDERSON KASSNER (PP) – eleito com 2.200 votos

Fomos eleitos para representar as pessoas e ajudar a resolver os problemas da comunidade. Muitos destes problemas são resolvidos através de atitude e determinação que fazem toda a diferença para melhorar a qualidade de vida dos munícipes e também são fundamentais no desenvolvimento da cidade. Não sou favorável um vereador assumir um cargo no Executivo. Se o vereador eleito assume um cargo na Prefeitura, ele deixa de representar as pessoas.

6- JAIR PEDRI (PSD) – eleito com 2.156 votos

A função do vereador vai muito além de fiscalizar as ações do Executivo. O vereador é eleito para ser o porta-voz da comunidade, apresentando projetos, indicações, moções, e eu cumprirei esse papel com transparência e responsabilidade. Vereador que assume cargo na Prefeitura deve renunciar ao mandato, porque quem recebe o voto de confiança do povo para ser vereador, tem o dever de exercer esta função e não outra. Inclusive em 2016 fui autor de um projeto de lei neste sentido, mas não foi aprovado

 

7- SIRLEY SHAPO (NOVO) – eleita com 2.045 votos

Um dos meus compromissos como eleita é assumir o cargo de vereadora e cumpri-lo até o final. Infelizmente, grande maioria dos partidos não pensa assim. Alguns pressionam os vereadores a assumir uma secretaria para que o suplente assuma na Câmara. Assim, o partido fica com duas pessoas em cargos importantes. Na Câmara, apresentarei Projeto de Lei para que o vereador eleito seja impedido de abandonar o mandato para assumir outras funções, pois acredito que o voto dos eleitores deva ser respeitado.

 

8 - ADEMAR WINTER (PSDB) – eleito com 1.401 votos

O vereador foi eleito pelo povo para cumprir sua função na Câmara e não para assumir um cargo de secretário ou diretor na Prefeitura. Sou totalmente contra isso e noto que muitos deixam de exercer a função, porque vão ganhar mais como secretário do que recebe um vereador. Isso não é justo com o eleitor. Estou no meu 8º mandato na Câmara, e nestes anos todos, recebi vários convites para assumir uma pasta na prefeitura e nunca aceitei. Se é para sair da vaga na Câmara para que um suplente assuma, que este então seja chamado para um cargo no Executivo.

 

9- NINA SANTIN CAMELLO (PP) - eleita com 1.340 votos

O cargo para qual fui eleita é de suma importância, pois o vereador tem a função primordial de representar os interesses da população perante o poder público, além de legislar e fiscalizar o Executivo. Sou contra um vereador que é eleito pelo povo assumir cargos no Executivo, pois o compromisso com o eleitor e o pedido de voto foi para o cargo na Câmara. Acho antiético e uma falta de respeito com quem confiou em você e acreditou em suas propostas para o Legislativo. Vou respeitar os votos dos meus eleitores, honrando o compromisso que assumi com a população jaraguaense.

10 - JEFERSON CARDOZO (PSL) – eleito com 1.261 votos

No tocante ao exercício do cargo, o importante é honrar os votos de cada eleitor, levar os anseios do povo ao poder Executivo, cumprir o ofício de fiscalizar e acima de tudo ter pulso firme e voz ativa para combater às injustiças e os encargos impostos à comunidade. Sou totalmente contra um vereador assumir um cargo na Prefeitura. Ao meu ver é uma vergonha. O voto confiado ao eleitor é exclusivo para ele cumprir as funções atinentes ao Legislativo. O vereador que aceitar “cargo” no Executivo é o mesmo que trair a confiança depositada nele pelo eleitor.

11- JONATHAN REINKE (PODEMOS) – eleito com 1.127 votos

Eu acredito que um vereador precisa ser uma pessoa que represente o povo, que esteja inserido no meio da população. E nesta eleição a gente viu isso. Foram eleitas pessoas que são cidadãos comuns e que têm o propósito de reivindicar o que precisa ser feito e não agradar ao interesse de poucos. Sou contra o vereador assumir cargo na Prefeitura, tanto que sou funcionário público e, a partir de 2021, estarei de licença sem remuneração para me dedicar exclusivamente ao mandato na Câmara. Se o candidato foi escolhido para ser vereador, precisa exercer o cargo respeitando a vontade do eleitor.

 

 

Telegram Jaraguá do Sul