O assessor especial da Secretaria de Relacionamento Externo do Ministério da Casa Civil, o catarinense Paulo Bauer (PSDB), solicitou esta semana sua exoneração do cargo ao ministro Onyx Lorenzoni (DEM-RS).

Nos bastidores o que corre é que Lorenzoni teria sofrido pressão do presidente Bolsonaro para que a pasta passe por mudanças, principalmente em sua reestruturação.

À coluna, Bauer disse que sua exoneração do cargo, foi a pedido, e que portanto, descarta a questão de sua cabeça ter sido colocada a prêmio.

“Eu já havia pedido para sair no meio do ano passado para tocar meus projetos pessoais, mas o próprio presidente e o ministro [Onyx] solicitaram minha permanência até a votação da reforma da Previdência, por conta das articulações que pude fazer com deputados e senadores para aprovação desta importante reforma”, comenta.

Além disso, por ser o catarinense mais próximo do governo federal, o ex-senador destaca que neste um ano que esteve na Secretaria de Relacionamento Externo recebeu mais de 150 prefeitos de todo o Estado que trouxeram a ele as demandas dos municípios e que foram levadas à presidência.

Agora que a pasta vai passar por mudanças estruturais, Baeur disse que chegou sua hora de pedir o afastamento da Secretaria de Relacionamento Externo. Segundo ele, estas mudanças fariam com que ele tivesse de permanecer quase em que tempo integral em Brasília impossibilitando sua vinda para SC nos fins de semana.

Em nota oficial, Bauer também destacou que deve desenvolver atividades empresariais e também se dedicar a ações políticas em Joinville, onde avalia a possibilidade de uma candidatura a prefeito.

Ele finaliza a nota dizendo: “ Liberado do compromisso de trabalho em Brasília terei mais liberdade e tempo para tratar de projetos pessoais e políticos sem deixar de atender e apoiar as reivindicações dos municípios e instituições catarinenses que necessitarem de minha interveniência junto ao presidente Jair Bolsonaro e integrantes do governo federal, com os quais “construí” excelente relacionamento neste período de participação na administração e também, em muitos casos, anteriormente. Sinto-me honrado, agradecido e realizado por ter contribuído com o Governo Federal neste 1º ano da gestão Bolsonaro, colaborando na “reconstrução” do nosso Brasil.”

Empréstimo

A Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa aprovou na terça-feira (4) o projeto de lei que autoriza o Poder Executivo a pegar emprestado R$ 1,4 bilhão do Banco Interamericano para Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD). O financiamento vai ser usado para quitar outro empréstimo feito em 2012 com Bank of America. A vantagem, segundo o governo do Estado, é que os juros são mais baixos. Uma dívida para pagar outra.

Produtividade

Apesar de anunciar seu licenciamento por 60 dias da Assembleia Legislativa a contar desta quinta-feira (6), o deputado estadual Vicente Caropreso (PSDB) destacou ontem que a secretaria de Estado da Saúde terá de iniciar a prestação de contas sobre produtividade de hospitais públicos.

A cada quatro meses o secretário de Estado da Saúde Helton de Souza Zeferino terá que apresentar na Assembleia Legislativa um relatório com indicadores de produtividade dos hospitais públicos estaduais. É o que determina lei sancionada pelo governador em janeiro deste ano. A exigência teve origem em projeto de lei aprovado pela Alesc no final de 2019 e que é de autoria de Caropreso.

CURTAS

Comissão

O deputado federal Carlos Chiodini (MDB) deve se dedicar este ano ao setor de desenvolvimento econômico. Ele vai assumir as Comissões de Minas Energia, de Defesa e Relações Exteriores e Ciência Tecnologia e Inovação na Câmara. Chiodini conquistou no ano passado em valores pagos e empenhados para os cinco municípios da região, cerca de R$ 10 milhões.

Participação

A primeira sessão de 2020, que marcou a volta aos trabalhos da Câmara federal registrou a presença de apenas 65 dos 513 deputados federais na Casa, conforme o sistema eletrônico. A Câmara parou em 16 de dezembro quando aconteceu a última votação do ano e retornaram aos trabalhos só nesta semana. Lembrando que também há um recesso no meio do ano. E mesmo assim não tem comparecimento de todos os parlamentares na primeira sessão do ano? Belo exemplo dado para a população que não goza de tantas regalias.

Arquivado

O presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc) deputado Julio Garcia (PSD), acatou ontem o parecer da Procuradoria Jurídica do Parlamento estadual e decidiu pelo não recebimento da representação contra o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) por suposto crime de responsabilidade. A representação, protocolizada em janeiro e aditada, também responsabilizava a vice-governadora Daniela Reinehr, o secretário de Estado da Administração, Jorge Eduardo Tasca, e a procuradora-geral do Estado, Célia Iraci do Cunha, pelo suposto crime.

Manifestação

Na decisão, a ser publicada no Diário Oficial da Assembleia, o presidente Garcia justifica, com base na manifestação da Procuradoria, que não restaram “satisfeitos os requisitos essenciais de admissibilidade para o recebimento da representação em tela, à míngua dos requisitos capazes de sustentar a prática pelo governador e vice-governadora do Estado dos crimes de responsabilidade.”

Roteiro pedagógico

A Prefeitura de Jaraguá do Sul desenvolve esta semana oficina com professores sobre o projeto de Turismo Pedagógico Aprender no Campo “Os Sabores, Os Saberes e os Sons da Roça”. O projeto envolve as secretarias de Educação, Desenvolvimento Rural e Abastecimento e de Desenvolvimento Econômico e Inovação.

Segundo o diretor de Turismo, Marcelo Nasato, o projeto surgiu dentro da proposta de valorizar a produção rural do município dando mais oportunidade aos agricultores.

Agroturismo

Dos 16 empreendedores rurais que participaram da formação de agroturismo oferecida pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico no ano passado, quatro se enquadraram no segmento de turismo pedagógico.

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul