A construção de uma casa pode parecer complexa à primeira vista, mas ela surge baseada em diversos estudos e projetos, que variam de acordo com o cliente e do profissional que executará. Vamos entender melhor as etapas de elaboração dos projetos de casas novas e o que contempla cada um?

Primeiramente é realizado um estudo de layout, onde é definido a posição dos cômodos, dispondo as paredes, aberturas (portas e janelas), disposição da construção no terreno e distribuição previa do mobiliário para que se tenha noção do espaço, esse estudo é de extrema importância, sendo personalizado para cada cliente de acordo com seus gostos e hábitos, é a partir dele que serão realizados os demais projetos técnicos.

Com o estudo definido, se dá início ao projeto arquitetônico, onde partes mais técnicas são detalhadas, como caimento dos telhados, planta de situação (localização do terreno na rua) e locação (localização da construção no terreno), cortes (desenho que mostra as alturas de cada andar), fachadas, muros e as plantas baixas. Em seguida, se dá o início do projeto para aprovação na prefeitura, onde será analisado o tipo de construção e ocupação de terreno de acordo com o zoneamento em que se encontra (divisão dada pela prefeitura para analisar construções em regiões).

Estudo definido, projeto arquitetônico feito e aprovado na prefeitura, é hora dos projetos complementares, que são vários, mas nem todos são obrigatórios e fica a gosto do cliente se deseja contratá-los junto ou num futuro. O primeiro projeto é o estrutural, projeto obrigatório e de extrema importância, nele serão definidos e calculados a ferragem em sapatas, vigas, pilares e lajes que constituirão a construção, no caso da construção mais utilizada, a alvenaria convencional.

Na sequência, o ideal seria realizar o projeto de interiores, onde o ambiente interno da edificação é estudo, dispondo da melhor maneira os móveis e equipamentos existentes (louças sanitárias, eletrodomésticos, eletrônicos e etc.), esse projeto contempla projeto dos móveis, marmoraria, paginação de pisos, gesso, iluminação e circuitos.

Com o projeto de interiores, o projeto hidrossanitário e elétrico torna-se mais preciso, mas é possível fazê-los também apenas com o arquitetônico. No projeto sanitário estão dispostas as tubulações de esgoto e água da chuva, localizando caixas de gordura e, se necessário, sistemas de tratamento de esgoto fossa e filtro. Como adicional deste, temos o projeto hidráulico, que dispõe as tubulações de água fria e água quente na casa.

O projeto elétrico, por sua vez, dimensiona a fiação adequada para ser adotada na edificação, visando a melhor relação custo-benefício, dispondo a entrada de energia, disjuntores, tomadas e interruptores. Como adicional deste, temos o projeto de comunicação, onde são dispostas as fiações de telefone, televisão, alarme, câmeras, internet. Há ainda o projeto de automação, quando se deseja automatizar equipamentos elétricos na residência, podendo controlar desde iluminação, ar condicionando, sonorização e acionamento de equipamentos.

No projeto de paisagismo são dispostas e especificadas as vegetações e ambientações na área externa da edificação, como decks, piscina, banheiras de hidromassagem e etc. Projetos preventivos de incêndio não são necessários em edificações com residências unifamiliares (onde mora apenas uma família) e menores de 750 m2.

A Eixo 11 conta com uma equipe de profissionais para lhe atender da melhor maneira nesses e outros projetos que desejar, seja residencial, comercial ou industrial.

Artigo escrito pelas arquitetas e urbanistas Jeanita Bonato (CAU/SC A135996-7) e Mariana Silva (CAU/SC A150451-7).

-

Onde encontrar a Eixo 11: rua Pres. Juscelino, 45, Ed. Ana Isabel, sala 02, Centro de Jaraguá do Sul • (47) 3370-0070 • 9 9942-6030 | FacebookInstagram