Muitas pessoas enfrentam problemas de infiltrações, vazamentos, rachaduras e mofo nas edificações, pois estão submetidas a chuvas, vendavais e condições climáticas. Isto ocorre devido à ausência do projeto de impermeabilização.

Segundo o IBI (Instituto Brasileiro de Impermeabilização), estima-se que os serviços executados, depois de constatado o problema, podem representar de 10 a 15% do custo total da obra. Para evitar estes transtornos e não comprometer a estrutura da construção, o ideal é investir em medidas preventivas, que precisam acontecer na definição do Projeto Arquitetônico e processo construtivo.

A exemplo dos projetos estruturais de concreto armado, das instalações hidrossanitária e elétrica, de paisagismo e decoração, entre outros de uma obra comercial, industrial ou residencial, a impermeabilização também deve ter um projeto específico, que detalhe os produtos e a forma de execução das técnicas de aplicação dos sistemas ideais de impermeabilização.

O que é a Impermeabilização em uma obra?

É um processo utilizado para isolar, selar ou vedar os materiais de uma obra, com o objetivo de proteger as diversas áreas de um imóvel contra a ação de águas que podem vir da chuva, de lavagem, de banhos ou de outras origens.

É uma técnica que consiste na aplicação de produtos específicos e tem a função de impedir a passagem indesejável de fluidos e principalmente da água e vapores, permitindo a funcionalidade e durabilidade da construção. Além disso, protege dos inúmeros problemas patológicos que poderão surgir com a infiltração e outros componentes agressivos da atmosfera (gases poluentes, chuva ácida, ozônio), que contribuem para a deterioração e degradação.

A falta ou uso inadequado da impermeabilização compromete a durabilidade da edificação, causando prejuízos financeiros e danos à saúde. O ambiente fica insalubre devido à umidade, fungos e mofo, diminuindo a vida útil da edificação, sem falar no desgaste do proprietário ou usuário que sofre com a má qualidade de vida causada pelos problemas existentes no imóvel.

Pontos fundamentais na aplicação do processo de impermeabilização:

⦁ Desenvolver o Projeto de Impermeabilização;
⦁ Definição dos materiais e tipos corretos de impermeabilizantes, de acordo com a edificação. Os mais comuns são a argamassa polimérica, manta asfáltica e cimento polimérico;
⦁ Escolha de mão de obra qualificada e fiscalização para não comprometer a qualidade da implantação;
⦁ Definição dos pontos que serão aplicados: piso, parede e/ou teto (normalmente é apenas aplicado na fundação para evitar que a umidade do solo suba, mas cada caso deve ser analisado);
⦁ Estimativa de custos dos serviços descritos no projeto;
⦁ Seguir a Norma NBR 9575, que estabelece as exigências e recomendações relativas à seleção e projeto de impermeabilização, para que sejam atendidos os requisitos mínimos de proteção da construção;
⦁ Avaliar a movimentação da estrutura e possíveis acomodações do terreno e intensidade de tráfego e cargas atuantes;
⦁ Atuação de raios solares e intempéries;
⦁ Umidade de solo, entre outros.

A Eixo 11 Arquitetura poderá lhe auxiliar na definição deste processo, desde o início de sua obra ou até mesmo para avaliar a situação atual de sua construção, e propor as corretas ações para que seu Projeto de Impermeabilização seja desenvolvido, para evitar todos os problemas decorrentes da degradação e corrosão precoce das estruturas, e valorizar o imóvel, dando credibilidade e segurança aos moradores.

Artigo escrito pelas arquitetas e urbanistas Jeanita Bonato (CAU/SC A135996-7) e Mariana Silva (CAU/SC A150451-7).

-

Onde encontrar a Eixo 11: rua Pres. Juscelino, 45, Ed. Ana Isabel, sala 02, Centro de Jaraguá do Sul • (47) 3370-0070 • 9 9942-6030 | FacebookInstagram