Nosso cérebro consome 20% da nossa energia diária e é um órgão como todos os outros, passa por situações de desgaste e envelhecimento. Este processo é natural, mas com o aumento da longevidade, aumentou o número de doenças neurodegenerativas, as quais afetam as células cerebrais, os neurônios.

O envelhecimento cerebral pode ser visualizado através do comprometimento da memória relacionado com a idade, aqueles esquecimentos leves com efeitos passageiros e não interferem na habilidade funcional do dia a dia. Também pode ser através do comprometimento que envolve o declínio da memória, não afetando a independência do indivíduo, mas afetando o seu equilíbrio e a coordenação física.

E por último, a demência, como por exemplo a doença de Alzheimer. O desejo de uma vida longeva com lucidez e independência é evidente, mas como podemos prevenir ou minimizar esse envelhecimento cerebral? Exercitando o cérebro para integrar corpo e mente. O cérebro necessita das mesmas intervenções que o nosso corpo para continuar em pleno funcionamento. Alimentar o cérebro com equilíbrio, sem toxidade, através de nutrientes e vitaminas. Ensinar ao cérebro coisas novas, evitando a repetitividade.

Hoje se sabe que em condições saudáveis é possível continuar produzindo novos neurônios ao longo da vida. Então adquirir uma atitude investigativa para a manutenção da saúde do cérebro é um dos melhores exercícios para mantê-lo saudável. O sono também desempenha um papel essencial nos processos reparadores do nosso organismo e na consolidação da memória. Priorizá-lo juntamente com o administrar bem o estresse é essencial para a clareza e função mental saudável. Realizar atividades mente corpo onde a respiração pode ser controlada voluntariamente, promove a mudança das mensagens enviadas para o cérebro, apresentando efeitos rápidos envolvidos no pensamento, emoção e comportamento.

Claro que sou defensora do Pilates e a técnica é incrível, mas a yoga e meditação também são bem-vindas. A prevenção é o melhor tratamento e a atividade física sempre deve acompanhar qualquer escolha. Os exercícios regulares, além de todos os benefícios, protegem a memória e as habilidades de pensamento. Mas não podemos esperar para começar quando o sinal vermelho acionar. Vivemos sempre correndo, com pressa, atrasados, submersos num turbilhão de emoções e ao mesmo tempo nos deixamos levar pela inercia.

Não costumamos escutar as mensagens que nosso corpo nos envia, a necessidade de parar para descansar o corpo e acalmar a mente. Exercitar o cérebro é também sonhar, planejar, idealizar, porque se desistimos, apaga-se a última luz e nada valerá a pena. Tenha em mente que o envelhecimento natural não é determinante de doenças. Nossos neurônios podem se reorganizar, transformar continuamente, e uma longevidade sadia depende da saúde do seu cérebro.