As rotações são os movimentos mais funcionais do nosso tronco. Quase tudo que fazemos se origina de uma torção, uma espiral do tronco, que segue pelos membros para executar o gesto final.

Basta pensar ou se mover para se dar conta disso. Pegar qualquer coisa, andar, olhar para o lado, para trás, ..., rotação. Essas rotações na coluna vertebral são importantes, pois elas criam estabilidade e o padrão de movimento eficiente para o corpo mover-se para a frente.

A coluna desempenha rotações de forma diferente, algumas regiões realizam este movimento com mais facilidade que outras. Portanto, não me surpreende que muitas pessoas machuquem sua lombar, por exemplo, quando praticam atividades no fim de semana e ficam com dores por um longo período de tempo, se tornando crônica.

As reabilitações para dores crônicas, para hérnias discais, escorregamentos vertebrais, estão muito mais eficazes. Mas um erro ainda se repete, proibir ou induzir a pessoa que não pode, de forma alguma, fazer rotação ou outro movimento qualquer.

Como ela vai levantar da cama? Ou dirigir, ou atender um chamado de alguém que está atrás dela? A rotação é fundamental para caminharmos, sem este movimento seriamos robôs. Fico imaginando a cena e acho difícil que alguém viva naturalmente sem realizar este movimento, pois faz parte do seu cotidiano. Pessoas chegam ao Pilates e dizem, tenho dor, hérnia, enfim, um problema na coluna e estou proibido de fazer rotação e quando faço sinto dor. Claro que sente, não está fazendo! Medo embutido na cabeça das pessoas.

Já basta a dor e a limitação que esta pessoa lida constantemente, não precisa ter mais uma neurose, gerar mais contração e resistência ao invés de estarem livres, soltos, exercendo o que o corpo sabe fazer, movimento. Ser saudável é se movimentar dentro de todos os planos e eixos. Se você não realizar determinado movimento, o corpo fará de tudo para não sofrer, mesmo que isso comprometa sua mobilidade, é a lei da Economia.

Movimento é vida, movimento é cura, basta acompanhar diversas pesquisas feitas em universidades de referência. O que precisamos é desenvolver a pratica consciente desta ação, praticar a mecânica adequada da rotação, extensão, flexão, lateralização, ensina-lo a se movimentar, para que depois, ele se movimente com frequência e eficácia.

Proibir é impedir que a pessoa viva com liberdade, não respeitar suas dores, pois o tratamento fica na espera de um milagre, criando novos monstros. Até que me provem o contrário, o movimento é a melhor ferramenta que temos para tratar as dores crônicas e devolver o equilíbrio e a organização corporal, livre das amarras, das sobrecargas, das tensões e das proibições. Enquanto isso, sem medo, vou melhorando a condição dos meus pacientes e eles vão vivenciando as maravilhas do movimento.