A Justiça aceitou a denúncia contra o homem suspeito de matar a filha de cinco anos em Guaramirim, no Norte de Santa Catarina.

De acordo com o MPSC (Ministério Público de Santa Catarina), Ubiratan Luis Modrock, de 39 anos, responde pelo crime de homicídio triplamente qualificado, por motivo torpe, emprego de asfixia e impossibilidade de defesa da vítima.

Segundo a promotora de Justiça Ana Paula Destri Pavan, titular da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Guaramirim, o Judiciário também solicitou, a pedido do MP, um ofício ao IGP (Instituto Geral de Perícias) pedindo o laudo pericial dos telefones apreendidos durante a investigação e do local do crime.

 

 

O Ministério Público de Santa Catarina pediu que Ubiratan seja julgado pelo Tribunal do Júri. O pedido foi acatado pela juíza Tatiana Cunha Espezim.

A defesa do réu tem dez dias para apresentar a defesa.

Evelyn Vitória Modrock foi estrangulada no dia 12 de junho, em um imóvel localizado no condomínio na rua Virgínia Cristofolini, no bairro Escolinha.

O delegado titular da Delegacia da Comarca de Guaramirim, Augusto Brandão, afirmou na época do indiciamento que o inquérito foi encerrado após a oitiva de três pessoas.

Ao ser preso, Ubiratan disse que um homem invadiu a residência, o agrediu com golpes de faca e matou a filha asfixiada.

 

 

Porém, em depoimento à Polícia Civil ainda no dia do crime, o suspeito confessou a autoria do homicídio.

O homem disse durante a oitiva que cometeu o ato único e exclusivamente para acabar com o sofrimento da criança com a separação da ex-mulher.

Ele teria usado uma camiseta para estrangular a filha. Depois, teria tentado tirar a própria vida com uma faca ainda durante a madrugada.

O pai da vítima está preso preventivamente no Presídio Regional de Jaraguá do Sul.