Os estelionatários utilizam as mais diversas desculpas para enganar as vítimas. Em Jaraguá do Sul, uma mulher acabou caindo na conversa de um golpista. Amanda (nome fictício) estava no trabalho quando uma troca de mensagens no Messenger a fez perder R$ 1.380.

Ela conta que o estelionatário invadiu a conta de uma amiga dela na rede social e a convenceu a fazer um depósito para “liberar uma mercadoria”. Após o golpe, Amanda soube que outra conhecida também caiu no mesmo golpe, ou seja, há a incidência de pelo menos dois casos na cidade.

Amanda estava no trabalho e conta que deixa sempre o Facebook aberto. A amiga dela, Bruna (também nome fictício), entrou em contato pelo Messenger pedindo ajuda para uma situação.

“Na sexta-feira (1º), a pessoa, se passando pela Bruna me chamou para conversar. A conversa começa assim: ‘miga, socorro, preciso da sua ajuda’. Como ela está com uma gravidez de risco, eu fiquei muito preocupada”, conta a vítima, ao destacar que as duas conversam apenas pelo Messenger e que logo perguntou o que a amiga precisava.

A pessoa que se passava pela amiga contou que precisava pagar um boleto, mas seu cartão estava bloqueado. Ela perguntou para que seria o boleto e o golpista explicou que seria para a liberação de uma mercadoria.

Nesse momento, Amanda perguntou se era para liberar vacinas para um tratamento. Aproveitando a deixa, o golpista explicou que seria para a compra das vacinas e que necessitava do pagamento urgente do documento. Mas que precisava que ela depositasse a quantia de R$ 380 na conta do vendedor.

Posteriormente, escreveu que foi um engano e que o montante seria de R$ 1.380. Então, ela depositou mais R$ 1 mil na conta do golpista.

“Ela (o golpista) falava que devolveria o dinheiro no outro dia. Que não tinha como sair de casa. Realmente, ela não poderia sair de casa por causa da gravidez e da filha de quatro anos. Também ninguém tinha combustível naquele dia. Ele conversou comigo me chamando de miga. A gente acha que ele analisou a conversa dela comigo. Ele utilizou as abreviações que ela usava, o jeito que a Bruna falava comigo e aquele monte de emojis tristes. Ela sempre utilizava esse tipo de coisa durante a nossa conversa”, relata Amanda

Ela ressalta que tentou entrar em contato com a amiga pelo celular, mas não conseguiu. “Você tenta falar com a pessoa pelo celular e não consegue. Daí, no Messenger ela está dizendo que precisa. Tentei fazer aquela ligação do Messenger, mas sempre caia”, completa.

Depois de perceber que caiu em um golpe, Amanda procurou a Polícia Civil e registrou um boletim de ocorrência.

“Eu me senti burra e pensei como eu pude cair num golpe desses. No final, a gente se sente desprotegida. Seria uma coisa tão boa para compartilhar com os nossos melhores amigos e se torna uma arma para esses bandidos. A gente não está segura em nenhum lugar, no celular em que está tão tranquila e vendo as notícias. Isso acaba se tornando uma arma na mão de pessoas ruins”, finaliza.

Polícia Civil repete as dicas para não cair em golpes

O delegado regional Adriano Spolaor destaca que há uma infinidade de golpes sendo aplicados nas pessoas. De acordo com ele, a maior parte das vítimas é abordada por meio eletrônico ou por telefone.

“Existem alguns cuidados que a população pode tomar para não cair nesse tipo de golpe. O primeiro deles é nunca passar dados pessoais via telefone ou via mensagem sem se certificar com quem está falando. É fundamental procurar realmente saber se é aquele amigo, se é aquele parente que está precisando de ajuda. A pessoa pode entrar em contato por telefone ou mensagem de voz”, explica o delegado regional, que ressalta que nunca se pode passar dados ou fazer depósitos sem essa certificação.

Spolaor alerta também para os golpes de extorsão via telefone. Apesar da população estar ciente desse tipo de prática, o delegado pede para que fique atenta. Ele repete que nunca se deve passar dados pessoais pelo telefone e sempre tentar entrar em contato com a pessoa que o bandido diz estar em posse.

Adriano também pede para que as pessoas não acreditem em promessas de dinheiro fácil, um grande chamariz para os golpes.

“Dinheiro não cai do céu, não existe sorteio sem você se inscrever, você não pode ser sorteado sem participar de um concurso. Enfim, dinheiro fácil não existe. Em caso, infelizmente, de alguém cair nesses golpes, a dica é procurar imediatamente a Polícia Civil e passar todos que você tiver em posse sobre esse criminoso. Dado da conta onde foi depositado o dinheiro, por exemplo. A partir daí, vai ser montada uma investigação para apurar o responsável pelo golpe. Muitos casos são difíceis de investigar, mas a orientação é sempre procurar a polícia”, finaliza.

-

LEIA MAIS:

- Polícia Civil investiga fraudes na administração de hospital e UPA de São Francisco do Sul

-

Quer receber as notícias no WhatsApp?

Região de Jaraguá do Sul Clique aqui

Região de Joinville - Clique aqui

Região de Florianópolis - Clique aqui