Os Bombeiros Voluntários de Guaramirim completaram 30 anos de fundação no dia 6 de março deste ano.

O OCP buscou uma importante figura da história da corporação para resgatar a história dos primeiros anos de atividade e da construção da sede localizada na rua 28 de Agosto, no bairro Avaí.

Ildemar Alves Lisboa, de 49 anos, decidiu ser bombeiro voluntário em 1991. Ele era filho do motorista do caminhão pipa da Prefeitura, que era utilizado nos primeiros anos de combate a incêndios.

Em 1994, ele foi o primeiro bombeiro efetivo, se tornou comandante e continuou na ativa até se aposentar em 2018.

 

 

O veterano conta que os primeiros anos da corporação foram muito difíceis. Não havia uma sede e nem veículo próprios.

Além disso, ainda não existiam os convênios com o Estado e a Prefeitura para financiar as atividades dos bombeiros.

Ildemar é filho do motorista do caminhão pipa que atendia as ocorrências | Foto: Fábio Junkes/OCP News

Como os bombeiros também não tinham a contribuição através da conta de energia, o jeito era improvisar.

O grupo se reunia em uma sala da Escola de Ensino Fundamental Almirante Tamandaré para fazer treinamentos e os caminhões pipa da Prefeitura eram utilizados nas ocorrências.

“Depois, a Prefeitura desativou a garagem de uma máquina e a gente adaptou como a nossa primeira sede. Na época, eu trabalhava na Cozinhas Berlim e depois fazia plantões durante a noite, fins de semana e feriados”, destaca.

Ildemar conta que uma das grandes dificuldades da corporação era os empréstimos dos caminhões pipa da Prefeitura.

Em muitas oportunidades, os veículos estavam sendo utilizados para molhar as ruas de terra do município.

Frota dos Bombeiros Voluntários em 2005 | Foto: BVG/Divulgação

“Quando havia algum chamado, a gente tinha que sair atrás dos caminhões e pedir para eles se deslocarem para o local do incêndio. Muitas vezes, os tanques desses caminhões estavam vazios porque estavam finalizando algum serviço”, relembra.

Uma solução para agilizar o atendimento foi montar uma caixa com as mangueiras de combate a incêndio.

Após o chamado, uma viatura da Polícia Militar seguia até a garagem, levava a caixa e os bombeiros até o local da ocorrência.

No momento em que o caminhão chegava, as linhas de combate já estavam posicionadas.

Construção da sede

A construção da sede veio do desejo da diretoria de ampliar o atendimento para a comunidade.

Com o crescimento da cidade, os membros observaram a demanda e buscaram recursos para construir uma sede e comprar viaturas próprias.

Sede foi construída com recursos obtidos com empresários e o poder público | Foto: BVG/Divulgação

Os bombeiros buscaram doações dos empresários, além de recursos com o governo do Estado e da Prefeitura.

O terreno foi cedido pelo Executivo municipal após a detonação de rochas e readequação da rua 28 de Agosto.

A construção do prédio começou em 1993 e foi finalizada em agosto de 1994.

“A sede nova nos abriu muitas portas. Nós conseguimos montar uma estrutura e apresentar nosso trabalho para a comunidade. Hoje, nós temos viaturas e equipamentos para atender a comunidade. Antes, nós não tínhamos isso. A comunidade pediu o nosso apoio e às vezes não tínhamos como atender”, enfatiza.

Ildemar observa que a corporação está se desenvolvendo cada vez mais.

Para ele, os bombeiros voluntários estão buscando se aprimorar nos treinamentos e adquirir mais tecnologia, com a atualização da frota e equipamentos, para realizar os atendimentos

“Eu acredito que esse está sendo um momento bom para a corporação. Eu acredito que isso tudo é resultado do bom trabalho que vem sendo desenvolvido nesses 30 anos. Quando a entidade presta um bom serviço, a comunidade acaba dando esse retorno”, finaliza.