Um grande fornecedor de drogas que atuava na região foi indiciado por tráfico de drogas e associação para o tráfico.

A DIC (Divisão de investigação Criminal) de Jaraguá do Sul finalizou o inquérito policial nesta semana após uma operação que desarticulou o esquema criminoso no mês de abril.

De acordo com o delegado Diones de Freitas, a investigação começou depois de uma grande apreensão de maconha feita pela Polícia Militar.

 

 

No flagrante ocorrido em novembro de 2020, foram apreendidos 19 quilos do entorpecente com um adolescente de 17 anos.

A partir dessa apreensão, a DIC abriu um inquérito para descobrir a pessoa que enviou essa droga para o menor.

Freitas afirma que a suspeita era de que o adolescente estava sendo utilizado por uma organização criminosa, principalmente pelo tratamento mais brando dado aos adolescentes.

“A investigação resultou numa grande coleta de informações, o que nos permitiu mapear essa quadrilha. A gente descobriu que a maior parte dos integrantes morava em Joinville. A partir das diligências em campo e a coleta de novas provas, a gente chegou até a identificação desse indivíduo e deflagramos a operação no dia 9 de abril”, explica o delegado.

A Justiça expediu cinco mandados de prisão temporária contra os integrantes da quadrilha.

Na operação, o homem apontado como o cabeça do esquema de tráfico de drogas foi preso em uma casa no bairro Espinheiros, na zona Leste de Joinville. No local, também foram apreendidos R$ 3 mil.

Operação contou com a participação de 25 agentes de diversas delegacias | Foto: DIC/Divulgação

Um terceiro integrante da quadrilha já estava preso após ser flagrado com 25 quilos de maconha em Balneário Camboriú.

O mandado de prisão foi cumprido no Presídio de Canhanduba, em Itajaí.

Outros dois investigados não foram presos, mas, ao saber que estavam foragidos, se apresentaram na Polícia Civil.

Em depoimento, eles confessaram que transportaram a droga de Joinville para Jaraguá do Sul e trouxeram elementos adicionais para a investigação. Após a colaboração, a prisão deles foi revogada.

O envolvimento de uma quinta investigada foi descartado após verificar que ela utilizada como laranja no esquema.

A mulher não tinha conhecimento de que a conta bancária dela era usada para o depósito de dinheiro da venda de drogas.

O homem identificado como líder do grupo foi preso em 2019, em Joinville, quando transportava cinco quilos de maconha.

Em 2017, outro envolvido no esquema foi era guincheiro e foi detido com 200 quilos do entorpecente.

“Esse líder utilizava de dois adolescentes para realizar remessa de drogas para outros estados da federação, como São Paulo e Rio de Janeiro. Eles estavam adquirindo drogas do Paraguai e de Manaus, onde esse homem apontado como líder tem familiares. Então, era um esquema interestadual e a gente acredita que essa prisão foi um golpe importante nessa rede criminosa”, ressalta.

O delegado pediu nesta semana a conversão da prisão temporária em preventiva.

Como o homem já possui antecedentes por tráfico, ele deve responder a todo o processo preso no Presídio Regional de Jaraguá do Sul.

Se houver condenação, com a comprovação do uso de adolescentes no esquema, a pena pode chegar a 20 anos de prisão.

“A gente forneceu um material bastante robusto para o Poder Judiciário viabilizar a condenação deste indivíduo e que ele pague por todos esses anos de impunidade. A gente observou que não foi um fato isolado e estava há algum tempo, de forma reiterada, associado a essas outras pessoas para obter ganhos ilícitos através da traficância”, finaliza.