Com a ajuda do 14º Batalhão de Polícia Militar (14º BPM), um pedófilo de 33 anos foi preso no Espírito Santo. Até o momento, 50 possíveis vítimas foram identificadas pela polícia em Jaraguá do Sul.

Com a prisão, uma adolescente de 15 anos entrou em contato com o jornal O Correio do Povo para contar como o homem costumava agir.

Com a autorização dos pais, a jovem relatou que os contatos foram feitos em 2015 através do Facebook.

Se passando por uma garota de cerca de 11 anos, o homem iniciou uma conversa no chat com a menina.

“Ele me chamou perguntando se eu era prima da Larissa. Como eu falei que não, começou a falar que poderíamos ser amigas. Ele passou cerca de uma semana criando intimidade, perguntando como foi o meu dia, se tinha amigas da minha idade”, conta.

As conversas inocentes passaram, aos poucos, a conter perguntas insistentemente sobre a possibilidade de envio de fotos.

A menina acabou enviando sete fotos para o pedófilo, algumas com roupas íntimas e outras sem.

“Ele começou a pedir fotos íntimas e disse que amigas faziam isso. Ele mandou uma foto do fake primeiro para ganhar confiança. Logo após ter conseguido as minhas fotos, parou de falar comigo. Um perfil falso meu apareceu no Facebook e eu imaginei do que se tratava”, descreve.

Um perfil fake com as fotos dela foi criado na rede social. Então, a garota percebeu que havia sido enganada pelo pedófilo.

Com a ajuda de amigos e de parentes, ela conseguiu denunciar o perfil falso no Facebook.

Novo contato

O suspeito contatou a adolescente novamente neste ano. Dessa vez, através do Stories do Instagram.

A conversa, também com um perfil fake de uma garota, começou com perguntas sobre o envio de fotos nuas (nudes).

A garota enviou fotos encontradas na internet para o homem.

Ela percebeu pela conversa que era a mesma pessoa que a havia abordado no Facebook anos antes e perguntou se ele ainda tinha as fotos que havia enviado quando era criança.

“Então, ele falou que tinha e me enviou. Eu fiquei bem chocada porque, mesmo depois de quatro anos, ele ainda tinha as minhas fotos. Eu ameacei denunciar e ele ameaçou mandar as minhas fotos para todos os meus amigos”, lembra.

A jovem foi bloqueada pelo perfil no Instagram e não teve mais contato com o suspeito.

Mas o trauma ficou por conta da vergonha e do medo da exposição das suas fotos íntimas. A adolescente ficou depressiva e pensou em tirar a própria vida.

Prisão no Espírito Santo

Pedófilo foi preso no distrito de Araguaia, em Marechal Floriano, no ES, no início deste mês | Foto PM

A prisão do homem acusado de realizar os contatos com as crianças e adolescentes em Jaraguá do Sul começou após denúncias  de aliciamento e de pornografia infantil feitas no 14º Batalhão de Polícia Militar.

As informações foram repassadas ao Ministério Público de Santa Catarina, que instaurou um Procedimento Investigatório Criminal (PIC).

Depois, a 2ª Vara Criminal da Comarca de Jaraguá do Sul emitiu três mandados de busca e apreensão.  

O pedófilo foi preso no distrito de Araguaia, em Marechal Floriano.

Na residência e no trabalho, foram apreendidos celulares, computadores, DVDs e HDs com material de pornografia infantil, aliciamento de crianças e adolescentes de várias regiões do país.

Todo o contato era feito através da internet e não há informação se o pedófilo residiu em Jaraguá do Sul.

 

 

Foram identificadas pelo menos 50 crianças da cidade que fizeram contato com o homem através das redes sociais, mas ainda não se sabe se elas enviaram fotos.

"Através da rede de contatos que ele tem, a gente estimou que mais de 50 crianças foram contatadas por ela [pela rede]. Então, ele pode ter feito vítimas entre esses menores com quem manteve contato", comenta o chefe da Seção de Comunicação do 14º BPM, major Aires Volnei Pilonetto.

As denúncias podem ser feitas na Delegacia de Proteção à Criança, ao Adolescente, à Mulher e ao Idoso (DPCAMI) de Jaraguá do Sul, localizada na Rua Marthin Stahl, número 507, no bairro Vila Nova. O telefone é o (47) 3370-0331.

Dicas para evitar a ação dos pedófilos pela internet:

  • Tenha uma relação de confiança com o seu filho e acredite se ele estiver falando que ocorreu algo de errado;
  • Fique por perto quando o filho está navegando e verifique sempre com quem o ele está conversando na internet;
  • Converse com o seu filho sobre o que ele pode enviar através das redes sociais;
  • Se o seu filho tem algum perfil em uma rede social ou serviço de trocas de mensagens, não deixe os dados liberados para quem não é amigo e não coloque muitas fotos.
  • Mudanças bruscas de comportamento podem representar fortes indícios de que algo está errado. Urinar na cama, ter medo de ficar com adultos e comportamento mais sexualizado podem evidenciar problemas.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?