Passagens a R$ 200? Não é bem assim, diz Ministro sobre “Voa Brasil”

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por: Pedro Leal

27/02/2024 - 20:02 - Atualizada em: 27/02/2024 - 20:47

O programa Voa Brasil, anunciado em março passado pelo então ministro de Portos e Aeroportos, Márcio França, não deve cumprir o prometido na época – ou teria sido “mal compreendido”, segundo o atual ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho.

Ele afirmou haver “uma confusão” sobre o público que será atendido pelo programa, que prevê passagens aéreas de até R$ 200.

Segundo ele, o programa foi pensado, desde o início, para um segmento específico: aposentados e estudantes beneficiários do Programa Universidade para Todos (ProUni).

As informações são do Estadão.

A proposta de criação do Voa Brasil foi anunciada pelo ex-ministro de Portos e Aeroportos Márcio França, em março do ano passado. Segundo Costa Filho, França fez uma “fala truncada” quando anunciou o programa e deu a entender que o benefício poderia alcançar toda a população.

A ideia original é oferecer passagens em “períodos de ociosidade”, também conhecidos como baixa temporada, para aposentados que não tenham viajado nos últimos 12 meses e alunos beneficiários do ProUni.

A promessa atual, após diversos adiamentos, é a de que o programa seja oficializado na primeira quinzena do próximo mês.

Já quanto ao barateamento das passagens para o resto da população, a expectativa do ministro é apresentar “nos próximos dias” o fundo garantidor de crédito para companhias aéreas. O ministro reforçou que o governo trabalha com um montante entre R$ 4 bilhões a R$ 6 bilhões, mas disse que o valor final ainda não está fechado.