A inclusão da "identidade de gênero" e diversidade sexual do Currículo Base da Educação Infantil e Fundamental em Santa Catarina que está na fase final de elaboração pelo governo do Estado, foi motivo de polêmica esta semana, principalmente na Assembleia Legislativa (Alesc).

O Currículo Base busca nortear os projetos político-pedagógicos de unidades de ensino de todo o Estado e aguardava a homologação do governador Carlos Moisés da Silva (PSL).

Deputados estaduais pressionam para retirar dos termos relações de gênero, identidade de gênero e diversidade sexual deste Currículo Base que foi elaborado por equipe da Secretaria de Estado da Educação.

Na sessão de quarta-feira (28) da Assembleia Legislativa, o deputado estadual Ismael dos Santos (PSD) questionou na tribuna a inclusão dos termos ligados a diversidade e identidade de gênero no documento. Ele definiu o conceito como "desconstrução do conceito de família e erotização precoce".

"Cabe à escola ensinar. Cabe à família educar, nas questões específicas de construção de valores, princípios, sexualidade, e não à escola", destacou.

O deputado Maurício Eskudlark (PL), que é o líder do governo na Alesc, afirmou que "todas essas pautas serão cortadas". Os deputados do PSL como Ricardo Alba e Ana Caroline Campagnolo também criticaram os termos incluídos no Currículo Base.

Alba defendeu o governador Carlos Moisés e chegou a afirmar que recebeu ligação do secretário de Educação do EstadoNatalino Uggioni, informando que as expressões seriam cortadas do documento. Informações sobre o posicionamento dos deputados foram divulgadas pela Alesc na quarta-feira.

Os deputados estaduais apresentaram requerimentos formalizando o pedido ao governo de retirada dos termos do Currículo Base.

A resposta do governo

O governador Carlos Moséis esclareceu junto com o secretário de Estado da Educação Natalino Uggion, por meio de suas redes sociais, que o documento que está sendo elaborado não chegou ainda em suas mãos para homologação e que portanto ele não teria conhecimento, mas mesmo assim determinou à Secretaria que faça uma avaliação e correções necessárias, inclusive com a reavaliação do Conselho Estadual da Educação.

"Quero deixar claro para os pais que têm interesse na educação de qualidade do Estado, que a Base Curricular que teria a abordagem de ideologia de gênero é um tema que não permitiremos a abordagem, principalmente em tenra idade na rede estadual de ensino", comentou.

Natalino destacou que a determinação feita pelo governador será cumprida. "Chamaremos as entidades que participaram nesta construção para fazer as alterações necessárias", finalizou.

 

Veja também:

Vídeo: Governador Carlos Moisés diz que será revista inclusão de "identidade de gênero" no currículo base das escolas estaduais

Mais sobre o Currículo Base

O Currículo Base da Educação Infantil e Fundamental está sendo elaborado nos últimos meses e é trata-se do conteúdo curricular para ser aplicada nas unidades estaduais de ensino.

O documento é considerado importante por estabelecer diretrizes e padronizar o conteúdo do estudante nas redes de ensino, tornando o aprendizado mais igualitário e com menos diferenças e dificuldades na aprendizagem nas mudanças entre unidades e regiões do Estado.

As menções a termos como diversidade e identidade de gênero criticadas pelos deputados estaduais de SC aparecem em dois pontos do documento. Vale destacar que a abordagem é para as turmas de 8º ano e portanto para adolescentes entre 13 e 14 anos.

Confira abaixo:

 

 

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram

Facebook Messenger