A violência contra mulher virou uma pandemia nacional. E Santa Catarina, em tempos de isolamento devido ao Covid-19, os números se agravaram e desnudam essa triste realidade. Ao menos 57 mulheres foram assassinadas em Santa Catarina pela condição de gênero durante os 12 meses de 2020. O dado representa a média de uma morte a cada seis dias no estado. São informações da Policia Civil de Santa Catarina.

Após acompanhar na mídia a movimentação da vereadora jaraguaense Nina Santin Camello (PP) que mobiliza as Câmaras pedindo a instalação de uma Casa Abrigo para atender mulheres vítimas de violência de Jaraguá do Sul e região, a causa da ganhou força na Assembleia Legislativa por meio da deputada Paulinha.

Sensível ao tema, Paulinha protocolou recentemente uma indicação pleiteando ao Secretário de Estado da Segurança Pública de SC, a viabilização de um convênio para implantação de uma Casa Abrigo para mulheres em situação de violência doméstica, em Jaraguá.

 

 

“ A criação de uma casa de acolhimento trará este atendimento especializado e direcionado, visto que estas mulheres precisam de proteção, sendo fundamental para que estas tenham oportunidade de fugir dos agressores”, disse.

Para ela, a criação dessa Casa de Acolhimento representa a adoção de uma politica pública inclusiva para as mulheres. “ Pois ajuda na interrupção e na superação do ciclo de violência que se instala dentro das famílias, oferecendo atendimento jurídico, social e psicológico a essas mulheres e devolvendo-lhes a cidadania e a autoestima”, avalia.