O Teste de Triagem Neonatal, mais conhecido como Teste do Pezinho (TP), foi instituído pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no início da década de 90. Ele é chamado de “Teste do Pezinho” pois é realizada uma coleta de sangue a partir de uma pequena punção no calcanhar do bebê.

De acordo com a pediatra, Dra. Ana Cecília Medeiros Mano Azevedo, a coleta deve ser feita idealmente entre o 3º e o 5º dia de vida. "Não pode ser feita antes disso pois, é importante que o bebê tenha se alimentado e não deve ser feita muito depois, pois a cada dia de atraso no diagnóstico é também um dia de atraso no tratamento do bebê", explica a médica.

O objetivo deste teste é contribuir para o diagnóstico precoce de algumas doenças graves. A proposta é que seja um teste de fácil coleta e de alta sensibilidade, exatamente para não deixar passar casos reais, embora possam haver um certo índice de falsos positivos.

"Isso quer dizer que este não é, em si, um teste diagnóstico, se der algum resultado alterado, deve ser confirmado através de exames específicos. Em alguns casos é indicado uma outra coleta, mesmo com os primeiros resultados normais: crianças que receberam transfusão de sangue antes da coleta, prematuros (que nasceram antes da 34ª semana de gestação) ou que nasceram com peso menor ou igual a 1500 gramas", complementa a pediatra.

Atualmente o Teste do Pezinho feito por meio do SUS faz a triagem para as seguintes doenças:

  • Hipotireoidismo congênito;
  • Anemia falciforme;
  • Deficiência de biotinidase;
  • Fenilcetonúria;
  • Fibrose cística;
  • Hiperplasia adrenal congênita

A especialista pontua que essas são doenças graves e raras, em que o diagnóstico precoce é extremamente importante e muitas vezes vital ao bebê. "Muitas desta doenças podem deixar sequelas importantes ou causar óbito precoce sem o devido tratamento. O diagnóstico e tratamento precoces têm salvo inúmeras vidas além de proporcionar uma vida normal, sem sequelas a muitas crianças", enaltece Dra. Ana.

Ela ainda destaca que existem Testes de Triagem Neonatal mais completos na rede privada, que chegam a fazer a triagem para mais de 50 doenças e recentemente, em maio deste ano, foi aprovada uma ampliação do teste feito via SUS, que também vai incluir a maioria destas doenças.

"Esta ampliação se dará em etapas e vai demorar alguns anos para se concretizar de forma completa, mas é uma grande vitória para a saúde. Mesmo após a implantação completa, é importante que saibamos que há um enorme número de doenças que estão e estarão fora deste teste, então, ter o Teste do Pezinho normal não exclui a possibilidade da criança apresentar alguma outra doença e que os sintomas surjam mais tarde na vida", finaliza.

Sobre a especialista

A Dra. Ana Cecília Medeiros Mano Azevedo é médica pediatra com Mestrado e Doutorado na área de Genética Médica pela UFRGS. Atende em Jaraguá do Sul na Clínica Crescer - espaço multidisciplinar. Contato: (47) 3058-2897.