Ter o sono em dia faz total diferença para a nossa saúde e algumas atitudes cotidianas podem parecer inofensivas, mas geram reflexo no nosso sono e isso pode estar afetando a sua saúde. Uma delas, de acordo com a nutróloga, Dra. Cristiane Molon, é o uso de remédio sem contraindicação - seja para a saúde física ou mental.

Segundo a especialista, quando perdemos saúde, podemos recuperá-la por meio de hábitos saudáveis e de cuidados médicos adequados. Entretanto, o tempo perdido, não volta mais. Ninguém pode ganhar tempo. O relógio avança independente do que fazemos.

Com a era da informação, celulares e redes sociais, dormimos cada vez mais tarde, as horas de descanso diminuem e as atribuições aumentam. Esses hábitos que contribuem para dormir menos, desregulam o ciclo do sono e diminuem a qualidade de vida.

A Dra. Cristiane explica que o ciclo regular do sono tem relação direta com a imunidade, emagrecimento, humor e com a qualidade de vida. "Poucas horas de sono aumentam o apetite, o risco de diabetes e de hipertensão arterial. Sem um período adequado de sono, nosso organismo não funciona corretamente."

Ela também destaca que a privação do sono causa a inversão do biorritmo do cortisol - hormônio relacionado com o sistema de luta e fuga e com o estresse, que em desequilíbrio favorece o acúmulo de gordura corporal. Também altera a resposta da GLP-1 pela manhã, essa substância regula os níveis de açúcar no sangue e faz diminuir o apetite. "Lembramos que o maior pico do hormônio do crescimento GH (que atua na queima gordura) ocorre durante o sono profundo. O sono tem papel essencial na regulação do equilíbrio energético e na saúde em geral", ressalta.

Entenda o ciclo do sono

Pela manhã o cortisol tende a fazer um pico e, no decorrer do dia, diminui os seus níveis no sangue. Acontece ao contrário com o anoitecer, o cortisol tende a diminuir e os níveis de melatonina (indutor natural do sono) começam subir. "Quando vivemos sob tensão, em ambientes cheios de estímulos luminosos, assistimos TV ou jantamos até tarde da noite, ocorre liberação do cortisol quando não deveria e a melatonina não é liberada, com isso vem a insônia da madrugada, o cansaço pela manhã, o aumento de peso e as infecções de repetição", complementa a médica.

"Quer ter saúde busque conhecer o seu corpo e as suas necessidades de sono"

A Dra. Cristiane pontua uma pergunta que é muito frequente: quantas horas de sono são suficientes?

Segundo ela, depende de cada pessoa, pois as necessidades são individuais. Algumas pessoas precisam de 6 horas de sono, ao passo que outras produzem mais quando dormem 8 horas por noite. Se o sono for de qualidade “profundo e reparador”, o dia será mais produtivo, vai despertar pela manhã com mais disposição, terá mais energia, melhora a imunidade, reduz o risco de diabetes, de doenças cardíacas e de hipertensão arterial. A falta de sono afeta as habilidades cognitivas e a memória, além daquele mau humor e irritabilidade nada benéfico.

Além disso, ela também afirma que a privação do sono em pacientes portadores de fibromialgia, de doenças degenerativas, doenças autoimunes e depressivas diminuem a qualidade de vida.

"Assim como você é no seu dia, assim será a sua noite, dia agitado, noite agitada, por isso friso na mudança de hábitos, o melhor antídoto para as doenças do corpo e da mente.
Com a prática de bons hábitos você pode melhorar a qualidade do seu sono, melhorando exponencialmente a sua saúde física e mental."

Conselho da Dra. Cris: Para você ter saúde você precisa dormir bem!

Dicas para a higiene do sono

  • Pratique exercícios físicos regulares, estes liberam endorfinas (substâncias que geram bem-estar) e a serotonina relacionada com o sono, com a digestão e com o bom humor, também é precursora da melatonina, relacionada com o sono profundo;
  • Esteja na cama até as 22h para facilitar a conversão e liberação de melatonina (indutor natural do sono);
  • Não durma com o estômago cheio - faça refeições leves à noite, pelo menos 2 horas antes de dormir;
  • Evite substâncias estimulantes à noite, como o café, chimarrão, refrigerante a base de cola, chá verde, chá mate, chá preto (todos tem cafeína - são estimulantes);
  • Evite situações estressantes antes de ir dormir;
  • Mantenha horários regulares para dormir, o corpo funciona em ritmos;
  • Para uma ótima noite de sono, precisamos de um ambiente o mais isento possível de ruídos, luminosidade e energia eletromagnética de aparelhos eletrônicos (TV, som, celulares), invista em um “despertador arcaico” e livre de radiação eletromagnética, o que consequentemente não interfere com as ondas cerebrais);
  • Pratique regularmente atividades que relaxem a mente como Yoga, Meditação e Mindfulness;
  • Acupuntura, fitoterapia, florais, massagens, reiki, sauna seca, caminhada ao ar livre, são alternativas que ativam o sistema nervoso parassimpático, relacionado com relaxamento. Para um sono reparador o corpo precisa estar livre de tensões;
  • Crie o hábito de colocar suas atividades do dia seguinte na agenda, para tirar esta preocupação da mente e evitar a insônia da madrugada;
  • Gerencie o estresse de forma positiva, busque momentos de lazer, delegue mais e pratique hobbies;
  • Mantenha seus hormônios em dia, pois estes influenciam completamente no seu sono e na sua qualidade de vida;
  • Quem dorme mais cedo acorda mais disposto, tem um aumento da produtividade e do poder de decisão, sofre menos com a ansiedade e adoece menos;
  • Existem vários caminhos para dormir melhor, você precisa decidir: se quer envelhecer com pouca qualidade de vida ou seguir as trilhas de bons hábitos e mudar as rotinas para ter mais saúde e vigor.

Sobre a especialista

A Dra. Cristiane Molon (CRM-SC 11384 | RQE 10352) é nutróloga formada em medicina pela UFSC e pós graduada em prática ortomolecular e modulação hormonal, saúde da família, medicina estética e estudante de saúde quântica, programação neurolinguística e hipnose.