O cérebro é o centro de tudo. O coração pode estar batendo, mas se o cérebro não funcionar, o corpo não funcionará. De acordo com o neurologista, Dr. Vicente Caropreso, o cérebro controla nossas emoções, nossos sentidos (visão, audição, sensibilidade, olfato, paladar) nossos movimentos, equilíbrio e coordenação motora, nossa temperatura corporal e a nossa memória.

É dividido em quatro lobos (responsáveis por diversas funções como pensamento, linguagem, movimentos de precisão, visão, audição etc); temos ainda o tronco cerebral (que regula a pressão arterial, batimentos cardíacos e respiração); e o cerebelo (responsável pela coordenação motora).

“Alguns hábitos podem afetar a saúde do cérebro, como a falta de sono, sobrecarga emocional, vida rotineira demais, sedentarismo, excesso de tecnologia, exposição demais a pessoas e ambientes ruins, vícios (drogas e álcool) e excesso de açúcar”, pontua.

Sintomas indicam alerta

O especialista afirma que o cérebro resiste a muitas dificuldades mas quando começa a ter problemas, geralmente a pessoa fica irritada, não dorme direito, perde o sono, tem dificuldade de memória, de raciocínio e de comportamento.

Algumas doenças afetam os sentidos - um isoladamente ou vários ao mesmo tempo e dependem basicamente da idade da pessoa.

Segundo o Dr. Vicente, mesmo dentro do útero materno, o cérebro pode ser afetado por infecções, subnutrição ou mesmo o uso de drogas pelos pais.

Na época do nascimento os problemas de parto têm de ser evitados. A hipóxia (falta de oxigenação) no parto pode causar lesões cerebrais irreversíveis na criança. Carinho e boa alimentação na infância previnem distúrbios como mau rendimento escolar e ou agressividade.

As infecções do sistema nervoso central como meningites e encefalites são muitas vezes devastadoras (tanto na infância quanto em adultos) e o mesmo ocorre com os traumas em geral (acidentes de trânsito ou agressões violentas).

Os vícios em drogas e álcool são verdadeiras tragédias humanas, capazes de trazer enormes sequelas ao cérebro.

Já as doenças degenerativas do sistema nervoso central (como a Doença de Alzheimer) afetam invariavelmente movimentos do corpo e a memória. O mesmo se pode dizer das doenças cardiovasculares, provocadas por hipertensão arterial, diabetes e outras doenças metabólicas.

Foto: Matheus Wittkowski

Dicas do Dr. Vicente para manter a saúde do cérebro

Tudo pode se resumir a ter uma vida equilibrada: sono de qualidade, boa alimentação e exercícios físicos regulares. “De nada adiantam exercícios, se a pessoa fuma demais, exagera no álcool ou drogas”, pondera.

  • Limitar o uso de aparelhos eletrônicos;
  • Evitar a obesidade com uma dieta equilibrada e sadia: obesos podem apresentar perda de memória, propensão à doença de Alzheimer e deficiência cognitiva;
  • Fazer exames periódicos e controlar a pressão;
  • Trabalho e lazer bem balanceados garante às pessoas equilíbrio emocional;
  • A leitura é um ato complexo do cérebro, e serve como um treinamento para melhorar atenção, raciocínio e memória;
  • A espiritualidade, a vida emocional e sexualmente sadias são necessidades e mesmo consequências de uma boa saúde do cérebro. Uma coisa depende da outra.

“Se formos analisar como foi a vida dos que chegaram a mais de 100 anos e com boa qualidade de vida mental, encontraremos pessoas em equilíbrio durante toda a vida, que se alimentaram sem excessos, sem vícios e que não se submeteram a estresse continuadamente. Isso é segredo? Não, isso é inteligência, é bom senso”, finaliza.

Sobre o especialista

O Dr. Vicente Caropreso (CRM-SC 3463 e RQE 618) atende no centro de Jaraguá do Sul. É médico neurologista desde 1983, voluntário da Apae de Jaraguá do Sul. É referência estadual dos Agravos Epidemiológicos Botulismo e Doença de Creutzfeld-Jacob (DCJ) e é médico honorário do Hospital e Maternidade São José.