O diabetes mellitus é uma doença frequente na população, com dados da Sociedade Brasileira de Diabetes apontando que cerca de 10% da população brasileira é acometida pela doença. Porém, uma em cada duas pessoas desconhecem o diagnóstico. Assim, fazer check-ups rotineiros e estar atento aos sintomas é fundamental.

De acordo com a endocrinologista, Dra. Angela Beuren, a patologia frequentemente leva a complicações crônicas, sendo comum as complicações nos olhos, a retinopatia diabética, nos rins, a nefropatia diabética, e as lesões nos pés, devido à neuropatia diabética.

“A doença é a principal causa de amputação não traumática dos pés e de doenças dos rins com necessidade de diálise. Se for instituído o tratamento precoce, sempre que adequadamente ajustado para manter bons alvos glicêmicos, essas complicações são todas prevenidas”, enfatiza a médica.

Sintomas silenciosos

A grande maioria dos pacientes diabéticos não sente nada e isso não é um sinal de que a doença esteja bem controlada ou que não se está diabético. Os sintomas típicos do diabetes, causados pelos altos níveis de glicose no sangue, são sede excessiva (polidipsia), aumento na quantidade de urina (poliúria) e visão turva só começam a aparecer quando os níveis de açúcar no sangue sobem significativamente, a valores acima de 180 mg/dl.

A especialista explica que, quando há um aumento da quantidade de açúcar que passa nos rins a níveis maiores que a capacidade de reabsorção renal, ocorre a perda de glicose na urina. Esse açúcar aumentado na urina literalmente “puxa” mais água para a urina, o que consequentemente leva à poliúria. “Essa água que é perdida junto com a glicose leva a uma desidratação, fazendo com que o paciente sinta mais sede. A isso chamamos de polidipsia”, pontua.

Ainda, como há uma maior liberação de açúcar na urina, é bem comum que aumentem os casos de micoses, como a candidíase, na região genital. Essa pode se manifestar com corrimento brancacento, vermelhidão, dor e prurido no local. Sinal também frequente de diabetes.

Dra. Angela ainda complementa que, como esse açúcar circula em todo o organismo, nos olhos os níveis elevados de glicose causam um inchaço nas lentes oculares, mudando o foco e deixando a visão borrada. Entretanto, esses sintomas melhoram com o tratamento dos diabetes e a normalização da glicose, diferentemente do que ocorre com as lesões da retina, causadas como complicação de um diabetes cronicamente mal controlado.

Dica da Dra. Angela

Se você desconfia que possa estar diabético, o ideal é procurar um endocrinologista para realizar exames adequados. Se você já tem diabetes diagnosticado, não deve esperar esses sintomas para procurar o especialista, já que eles refletem níveis de glicose bastante elevados.

“O tratamento instituído de forma precoce evita todas as complicações da doença.”

Atualmente, para o tratamento do diabetes mellitus tipo 2, há inúmeras novas e excelentes medicações, o que faz com que consigamos evitar o uso de insulina para o tratamento e alcançar excelentes controles glicêmicos com medicações de uso oral.

Sobre a especialista

A Dra. Angela Beuren (CRM 22889 / RQE 13603) é endocrinologista, formada pela Universidade Federal de Santa Maria, Medicina Interna pelo Hospital Universitário de Santa Maria e Médica Endocrinologista pelo IEDE (Instituto Estadual de Diabetes e Endocrinologia Luiz Capriglione) do Rio de Janeiro. Atende na Rua Guilherme Weege, Numero 202, Sala 407, Edifício Accord Center – em cima do Laboratório Fleming. Os contatos são (47) 3054 0514, 99222 3314 ou angela.beuren@gmail.com.