A Síndrome de Burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, é um distúrbio psíquico causado pela exaustão extrema, geralmente relacionada aos problemas ocasionados pelo trabalho.

Segundo o neurologista Dr. Vicente Caropreso, a síndrome tornou-se cada vez mais comum, pois a nossa exposição em excesso a compromissos e mídias sociais, ocasiona a sensação de que o dia deveria ter mais de 24h de duração. De acordo com uma pesquisa realizada pela International Stress Management Association (Isma) 30% dos mais de 100 milhões de brasileiros sofrem com o distúrbio.

Sua principal característica é a exaustão extrema, física e mental, e estresse provocados pelo esgotamento profissional como, excesso de trabalho e preocupação intensa com ele. Profissionais da área de saúde, por exemplo, enfrentam situações que contribuem para o desenvolvimento do burnout por conta da redução crônica do convívio social, falta de condições de trabalho, atendimento em múltiplas instituições, entre outros fatores. E assim, ocorre também em diversas outras áreas como, na educação, assistência social, agentes penitenciários, bombeiros, etc.

SINTOMAS

  • Trabalho excessivo;
  • Dores de cabeça e musculares;
  • Insônia;
  • Irritabilidade;
  • Sensação de esgotamento físico e mental;
  • Crises de choro e desespero.
  • Em alguns casos mais graves e não tratados corretamente, pode haver o risco de suicídio.

“O diagnóstico deve ser realizado por profissionais especializados em saúde mental, considerando todo o ambiente de trabalho do paciente, para então obter o resultado de avaliações psicológicas. O objetivo é fazer a ponte entre a pessoa e o ambiente de trabalho”, ressalta Dr. Vicente.

TRATAMENTO DO BURNOUT

O tratamento da síndrome de burnout muitas vezes inclui sessões de psicoterapia, uso de medicamentos antidepressivos para o controle dos sintomas e aceleração da recuperação. Uma mudança na rotina também pode ser necessária para proporcionar maior relaxamento ao corpo e mente, como dar uma pausa na rotina e faça atividades físicas.

COMO PREVENIR

É fundamental manter um equilíbrio saudável entre a vida pessoal e profissional como, por exemplo, priorizar tempo de lazer a família e amigos. Abaixo o neurologista separou algumas orientações:

  • O primeiro passo é aceitar o diagnóstico e estar aberto a receber ajuda;
  • Passar mais tempo com a família;
  • Reorganizar a dinâmica no ambiente de trabalho;
  • Evitar o consumo de álcool e outras drogas para alívio de ansiedade e outros transtornos;
  • Praticar exercícios físicos regularmente;
  • Evitar excesso de horas de trabalho;
  • Ter uma alimentação saudável;
  • Manter a qualidade do sono e dormir por 8h. A constante falta de sono, prejudica a memória, aumenta a dificuldade em processar informações, aumenta a ansiedade e reduz muito a habilidade de tomada de decisões. Limite o acesso a aparelhos eletrônicos pelo menos uma hora antes de dormir, e procure deixar o ambiente de dormir o mais confortável possível.

Sobre o especialista

O Dr. Vicente Caropreso (CRM-SC 3463 e RQE 618) atende no centro de Jaraguá do Sul. É médico neurologista desde 1983, voluntário da Apae de Jaraguá do Sul. É referência estadual dos Agravos Epidemiológicos Botulismo e Doença de Creutzfeld-Jacob (DCJ) e é médico honorário do Hospital e Maternidade São José.