Desequilíbrio muscular pode ser um dos motivos das dores no joelho e que pode afetar pessoas de diversas faixas etárias. De acordo com o ortopedista da clínica COE Ortopedia, Dr. Darian Boccacio, as principais queixas de dor são na região anterior do joelho, chamadas de dores fêmoropatelares.

Essas dores podem afetar tanto aquela pessoa que iniciou uma atividade física, já faz e as que não fazem, ou então que trabalha com o joelho no chão ou agachado.

Além disso, segundo Dr. Darian Boccacio, algumas vezes essa dor vem acompanhada de crepitação, que nada mais é do que o desgaste cartilaginoso, conhecido como condromalacia.

O ortopedista ressalta que “toda dor, não só no joelho, é um sinal de que alguma coisa está desequilibrada e as dores muitas vezes são derivadas de um desequilíbrio muscular”.

Porém, outras situações também podem levar o paciente a sentir dor no joelho, que são derivadas de patologias. Alguns exemplos são:

  • Instabilidade ligamentar devido a uma ruptura do ligamento cruzado anterior ou posterior;
  • Luxação patelar devido a ruptura traumática do ligamento patelofemoral medial;
  • Luxação derivada de alterações anatômicas individuais (que é bem comum);
  • Dores que são derivadas da artrose, que é o desgaste da cartilagem do joelho e é um processo evolutivo da vida;
  • Alterações anatômicas individuais.

Prevenção é a melhor forma para evitar dores no joelho

Segundo o ortopedista, já se sabe que existe o processo de envelhecimento e que nele acontece uma degeneração, com desidratação e lesão da cartilagem. Por isso, é importante envelhecer com qualidade.

“É preciso manter um equilíbrio em tudo: um bom peso, atividade física adequada, nunca fazendo sobrecarga nas articulações, e sim fazer um trabalho que seja benéfico ao corpo”, explica Dr. Darian Boccacio.

Ele ressalta que esporte de alto rendimento não é benéfico porque exige muito além do que a pessoa está habituada e isso não é a realidade. Uma atividade física saudável deve ser praticada de acordo com a limitação de cada um e dando os descansos necessários, além de aliar a uma boa alimentação. “Com isso é possível atingir uma qualidade de vida, diminuindo as dores que podem vir a acontecer”, afirma.

Além disso, o sedentarismo também leva ao desequilíbrio, já que, quanto menos se pratica atividade física, mais hipotrofiada a musculatura fica. “Existem muitos casos de idosos sarcopênicos ou hipotróficos, que tem dificuldade de levantar da cadeira, por exemplo, ou então de descer escadas.” Apesar de citar casos de idosos, ele pontua que também ocorre com pacientes mais jovens como consequência do desequilíbrio muscular.

Melhora no condicionamento físico faz parte do tratamento

Dr. Darian Boccacio explica que o tratamento vai depender de cada caso. O uso de anti-inflamatórios, por exemplo, é utilizado no processo agudo e associado com gelo. Porém, o paciente precisa ser colocado num condicionamento físico, e por isso é indicada a fisioterapia para que seja trabalhada essa melhora primeiramente.

“Depois que esse condicionamento físico estiver efetivado, procuramos adequar ele a uma atividade que, de preferência tenha o aeróbico junto com o contrarresistido, e com isso gerar uma qualidade de vida. A consequência é a amenização das dores, ou o fim delas, tanto no joelho quanto nas outras articulações”, finaliza o ortopedista.

 

Sobre o especialista

O Dr. Darian Boccacio (CRM-SC 13197) atende na clínica COE (Centro de Ortopedia Especializada), em Jaraguá do Sul. É médico ortopedista e traumatologista, especialista em joelho e medicina do esporte. Há anos acompanha e cuida dos atletas do Jaraguá Futsal.