O transtorno bipolar é uma doença que afeta o humor. Períodos de depressão, com tristeza, perda de vontade de fazer as coisas, desânimo, choro sem motivo e pensamentos negativos, são algumas caraterísticos. Há também os períodos chamados mania ou euforia, e neste caso a pessoa não está exatamente "alegre" como muitos acreditam.

De acordo com a psiquiatra, Dra. Andréa Galastri, nessa fase o indivíduo fica exaltado e muito agitado. Normalmente não dorme, fica acelerado e deixa as coisas pela metade, não consegue ficar parado ou sentado muito tempo, às vezes nem para comer, além disso, pode ficar agressivo.

"No período depressivo a pessoa não se sente capaz de nada. Já ao contrário, no episódio maníaco o indivíduo se sente mais capaz que o normal, se torna mais ousado, muitas vezes comprometendo a capacidade de julgamento."

Segundo a especialista, flutuações de humor são comuns em qualquer ser humano, em maior ou menor intensidade. O quadro bipolar é bem mais grave!

Ela ressalta que as alterações de humor podem acontecer devido algum gatilho na vida, como uma doença, um problema familiar ou de trabalho, mas também sem nenhuma justificativa perceptível. "Não precisa haver razões para mudança de humor em um portador de transtorno bipolar."

No quadro clássico de bipolaridade a doença começa no adulto jovem e evolui com períodos de depressão e períodos de euforia intercalados por fases normais na vida.

Também existem bipolares que não fazem crise maníaca completa, mas uma versão mais leve chamada de hipomania. "Em casos assim as alterações de humor podem passar despercebidos para alguém que não conhece bem o paciente ou não convive com ele. A própria família pode acreditar que a pessoa está num período bom e é assim que o indivíduo também se vê", explica.

Entretanto, o episódio de hipomania normalmente leva a aceleração, desorganização, formulação de planos que não poderão ser cumpridos, e desta forma improdutividade geral. O indivíduo pode ter gastos desnecessários, como começar um curso que logo será interrompido ou comprar materiais específicos para algum projeto laborativo que nunca chegará a realizar.

Diagnóstico

Para o diagnóstico de transtorno bipolar basta um episódio eufórico ao longo da vida, mesmo que não tenha ocorrido episódios depressivos ainda. A depressão no bipolar pode ter características um pouco diferente da depressão recorrente.

A depressão em um transtorno bipolar pode ser mais acentuada e mais intensa que a depressão unipolar. Geralmente começa mais cedo ao longo da vida.

Existem também os episódios mistos, nos quais há uma mescla de sintomas de mania e depressão. O indivíduo pode estar triste e choroso e ao mesmo tempo cheio de planos e inquieto, por exemplo.

Outra condição é a ciclagem rápida em que são necessários pelo menos quatro episódios de alteração de humor ao longo dos últimos 12 meses, podendo ser depressão mania ou hipomania, ou misto. A ciclagem rápida é mais comum em mulheres e a idade média de início dos sintomas é 25 anos.

Segundo a Dra. Andréa, nem sempre é fácil diagnosticar um portador de transtorno bipolar, especialmente os que cursam com hipomania, ou os que estão em episódio depressivo e ainda não desenvolveram crise maníaca.

Pacientes bipolares podem ser confundidos facilmente com depressão unipolar e com esquizofrenia. Muitas vezes o diagnóstico correto acontece ao longo do tempo de acordo com a evolução da doença.

Tratamento

O tratamento medicamentoso é bastante individualizado e são necessários ajustes ao longo do tempo de acordo com o período em que o paciente se encontra. Pacientes bipolares em tratamento podem passar vários anos em estabilidade e sem apresentar sintomas.

"É uma doença que precisa de tratamento continuo. A psicoterapia pode ajudar na compreensão da doença, na aderência ao tratamento e no manejo de situações de vida decorrentes dos períodos de crise."

Setembro amarelo

O mês de setembro é voltado para a conscientização e prevenção do suicídio, portadores de transtorno bipolar tem um alto risco para suicídio.

Dados divulgados pela Associação Brasileira de Transtorno Bipolar (ABTB) afirmam que 30% a 50% dos brasileiros que apresentam transtorno bipolar, tentam tirar a própria vida, sendo a doença que mais causa suicídio entre os transtornos de humor no país.

Sobre a especialista

A psiquiatra Dra. Andréa Cristina Galastri (CRM 10561 e RQE 5122) atende na rua Amazonas, 227, no centro de Jaraguá do Sul. Informações pelo (47) 3371-7284.