A Neurologia é a especialidade que se dedica ao diagnóstico e tratamento das doenças que afetam o sistema nervoso (cérebro, tronco encefálico, cerebelo, medula espinhal e nervos) e os componentes da junção neuromuscular (nervo e músculos). O Dr. Vicente Caropreso, neurologista que atua em Jaraguá do Sul, respondeu às dúvidas enviadas pelos leitores do OCP, relacionadas à especialidade:

  • OCP: Quais os sintomas para procurar um neurologista?

Dr. Vicente Caropreso: "É muito extensa a lista de sintomas pelos quais uma pessoa deve procurar um neurologista, mas os mais importantes são: Dor de cabeça e, dor, dormência ou formigamento nos membros ou em alguma parte do corpo que se relacione ao sistema nervoso; Confusão mental e perda de memória; Distúrbios do sono; Alterações nos sentidos específicos como a visão, paladar, olfato e audição; Percepção de alterações na sensibilidade em uma ou mais partes do corpo; Fraqueza muscular; Tremor; Paralisia; Movimentos involuntários, como tiques; Má coordenação motora; Problemas de fala; Lentidão dos movimentos; Alterações na sensibilidade; Desmaios, convulsões e até estados de perda de consciência (coma inclusive)."

  • OCP: Quais sintomas indicam que a qualidade do meu sono não é boa e quando devo procurar atendimento?

Dr. Vicente Caropreso: "Os distúrbios do sono mais comuns são a insônia, a apneia obstrutiva do sono e a síndrome das pernas inquietas. Mas, existem muitas outras doenças que afetam a qualidade do sono fazendo com que a pessoa, em qualquer fase da vida, possa sofrer os sintomas que são variáveis justamente dependendo da idade em que aparecem.

A má qualidade de sono é comum hoje em dia, pois as pessoas vivem se movimentando demais e se expondo aos meios de comunicação. Isso reduz o horário de sono e é muito comum que aumentem os sintomas psíquicos como: irritabilidade, depressão, tendência a vícios, abuso de medicamentos ou físicos como doenças cardiovasculares, obesidade e cefaleia.

Por outro lado, uma doença muito comum é o ronco, e a apneia de sono, que podem provocar graves alterações cardiovasculares nas pessoas, além de aumentar as taxas de acidentes automobilísticos e de trabalho pela sonolência excessiva resultante da apneia.

Deve-se procurar o médico quando não se consegue mais dormir direito e isso esteja implicando em cansaço e fadiga no outro dia. Apareceu ronco excessivo: procure um médico. Exames como a polissonografia são necessários para o diagnóstico."

  • OCP: Dor de cabeça x enxaqueca, qual a diferença e os tratamentos?

Dr. Vicente Caropreso: "A enxaqueca é uma forma muito comum de dor de cabeça. É mais comum em mulheres, em pessoas mais jovens e tem uma tendência genética muito forte. Nessa forma de dor de cabeça as dores são intensas, geralmente unilaterais, tendem a ser repetitivas e são agravadas por som alto e esforço físico.

Mas, existem muitas causas de dor de cabeça, desde jejum prolongado até, por exemplo, meningite ou outra causa mais grave. Para a pessoa que sofre de dor de cabeça, seja de forma crônica ou de forma aguda, o importante é fazer diagnóstico correto para um tratamento ideal.

O abuso de medicamentos é coisa muito frequente e não raro vemos pessoas usando mais de 10 comprimidos por dia, no caso de enxaqueca ou na forma mais comum que é a cefaleia de tensão. Evitar a automedicação para as cefaleias é um fator fundamental para o tratamento e alívio dos sintomas.

Nem sempre se consegue, pois há fatores que mantêm as dores, principalmente os distúrbios psíquicos como ansiedade e depressão. As pessoas têm - cada uma delas - a sua história, seus problemas e, portanto, exigem atenção pessoal para que se possa entender todas as dificuldades de cada indivíduo. Tratar a dor por tratar, não costuma dar bons resultados.

É preciso saber entender a vida dos pacientes, principalmente dos que sofrem de enxaqueca e cefaleia de tensão que são as formas mais comuns de dor de cabeça."

Sobre o especialista

O Dr. Vicente Caropreso (CRM-SC 3463 e RQE 618) atende no centro de Jaraguá do Sul. É médico neurologista desde 1983, voluntário da Apae de Jaraguá do Sul. É referência estadual dos Agravos Epidemiológicos Botulismo e Doença de Creutzfeld-Jacob (DCJ) e é médico honorário do Hospital e Maternidade São José.