O alimento é a principal fonte de energia, é essencial para fabricar hormônios, enzimas, músculos, ossos, cabelo, pele e uma boa memória. O ato de se alimentar envolve aspectos sociais e comportamentais. A nutróloga, Dra. Cristiane Molon, respondeu nossas perguntas sobre a importância da alimentação na vida de cada ser humano. Confira!

OCP: Sabemos que a alimentação é muito importante para a sobrevivência, mas do ponto de vista da nutrologia, qual o impacto da alimentação nos seres humanos?

Dra. Cristiane: "Com o passar dos anos houve uma mudança significativa nos hábitos alimentares. O aumento no consumo de produtos industrializados junto com um estilo de vida estressado, contribuiu para o aumento de inúmeras doenças modernas, com nomes esquisitos. Além das mudanças nos hábitos alimentares estamos gastando cada vez menos calorias, aí a matemática não fecha. No entanto, existe um movimento saudável em que as pessoas estão buscando mais comida natural, priorizando a qualidade de vida. Como amo prevenção é aqui que me divirto trabalhando.

podemos falar de qualidade de vida quando sabemos o que estamos comendo e como esse alimento está sendo processado no nosso corpo, pois dependendo do tipo de alimento ele pode promover saúde ou acelerar o desenvolvimento de doenças, como explica a epigenética. Os genes não mudam, o que determina a sua história são os seus comportamentos e hábitos. Você é o que você frequentemente come, absorve, excreta, pensa, fala e sente. Diante deste cenário: comida é droga e remédio. Se ela é um remédio bom ou ruim depende de como a consumimos."

OCP: O que seria uma boa alimentação? E de que forma é definido para cada pessoa?

Dra. Cristiane: "Poderia dizer que uma boa alimentação é a que te faz feliz, mas não é bem assim que funciona nosso metabolismo, nem tudo que gostamos é saudável e nem tudo nos convém. Hoje não consumo proteína animal, amanhã isso pode mudar. A carne é indigesta para muitos e vida para outros. Uma torta recheada pode ser a oitava maravilha para algumas pessoas e para outras motivos de produzir coceiras pelo corpo e gases. Você pode amar leite e derivados e não perceber que ele produz muco - “pigarro”, além de piorar as dores articulares. O açúcar pode ser o seu combustível da alegria e você nem percebeu. A cafeína acelera a sua mente e você acha que não interfere no seu sono. Reagimos de maneira ímpar ao consumirmos determinados alimentos, alguns nos deixam felizes outros com menos energia. Identificar esses aspectos faz parte da auto-observação, e esta permite escolhas melhores e mais conscientes. Não existe superalimento capaz de curar tudo ou a dieta ideal, pois somos únicos, precisamos respeitar a individualidade, a genética e a história de cada um. Cada pessoa funciona de uma maneira, já que, metabólica e geneticamente falando, somo diferentes. Podemos falar de alimento mais adequado para cada indivíduo dependendo das suas necessidades do momento."

 

OCP: É possível prevenir doenças e/ou tratar/curar com a alimentação correta?

Dra. Cristiane: "Acredito que quando mudamos a alimentação, ela nos transforma. Ouvi de um mestre que a mãe de toda doença é uma alimentação desequilibrada e o pai de toda doença é o estresse descompensado. Se uma pessoa doente pudesse estar em contato com a natureza, respirando ar puro, com os pés em contato com a terra, dormindo cedo, tomando água de boa qualidade e se alimentando só com comida natural, a probabilidade de recuperar a saúde e ter mais qualidade de vida é muito grande."

OCP: De que forma a nutróloga pode auxiliar quando o assunto é alimentação?

Dra. Cristiane: "Não tem como tratar uma pessoa com menopausa, com ansiedade, depressão, fibromialgia, esgotamento mental, endometriose, com TPM, enxaqueca, com dores no corpo sem falar em alimentação. A alimentação é a base de um estilo de vida saudável. Gosto da máxima: cuide 80% do tempo, para se permitir nos outros 20% comer o que quiser. Não adianta comer uma folha de alface no sábado e achar que está tudo bem, assim como não adianta dizer que alface é saudável para todos. Cada pessoa tem hábitos, preferências e aversões e isso precisa ser respeitado. Tem pessoas que comem de tudo e se sentem bem, ao passo que outras vivem em restrição e são infelizes.

Eu gosto de falar sobre alimentação, pois ela transformou meu estilo de vida, e isso me motiva a orientar e ensinar os pacientes a se relacionarem melhor com os alimentos, sem sentir culpa ou medo ao consumirem determinados alimentos. Algumas vezes a nossa mente está tão condicionada a antigos hábitos que não percebe que alguns alimentos, ao invés de nutrir, nos rouba energia, e aos poucos com as mudanças de hábitos, começamos a ter uma maior compreensão de nós mesmos. Estilo de vida saudável combina com equilíbrio.

Por que aprender a se alimentar melhor? Para ter mais saúde, energia, disposição, autocontrole e qualidade de vida.

#DicasdaDraCris

  • Prefira comida natural, com data de validade curta e que não tenha rótulo;
  • Experimente novos sabores;
  • Mastigue mais;
  • Evite a monotonia alimentar;
  • Desembale menos, descasque mais.
"Em caso de dúvida, se o alimento é saudável ou não, indague: a minha avó comeria este alimento?"

Sobre a especialista

A Dra. Cristiane Molon (CRM-SC 11384 | RQE 10352) é nutróloga formada em medicina pela UFSC e pós graduada em prática ortomolecular e modulação hormonal, saúde da família, medicina estética e estudante de saúde quântica, programação neurolinguística e hipnose.