A disfunção erétil é a incapacidade de o homem conseguir obter e manter uma ereção do pênis suficiente que possibilite uma atividade sexual satisfatória. Pode ser um sinal de doenças crônicas em atividade ou mesmo problemas psicológicos, afetando a qualidade de vida dos pacientes e de suas parceiras.

De acordo com o urologista, Dr. Raphael Lahr, nem sempre o fato de não conseguir ter uma ereção adequada se traduz em disfunção erétil, porém, se isso ocorrer de forma frequente, o ideal é consultar um médico urologista para uma avaliação adequada.

"Estima-se que 100 milhões de homens no mundo apresentem disfunção erétil, sendo esta a mais comum disfunção sexual encontrada nessa população após os 40 anos. No Brasil, a prevalência se aproxima de 50% após os 40 anos, algo em torno de 16 milhões de homens", complementa o especialista.

Causas são variadas

O médico pontua que as causas podem ser variadas, podendo ser relacionadas a diversos fatores:

  • Problemas circulatórios: a ereção depende diretamente do fluxo de sangue para o pênis, portanto, as alterações que dificultam a circulação adequada para essa região podem causar disfunção erétil. Por exemplo: doenças cardiovasculares (hipertensão, doença arterial coronariana), diabetes, colesterol elevado, tabagismo, cirurgias prévias na pelve e pessoas submetidas a radioterapia prévia;
  • Neurológicas: até 20% dos casos de disfunção erétil estão associados a problemas neurológicos como as doenças degenerativas (esclerose múltipla, doença de Parkinson), acidente vascular cerebral, tumores do sistema nervoso central e traumatismos;
  • Anatômicas ou estruturais: pessoas que desde o nascimento ou mesmo por doenças adquiridas tenham alterações na anatomia peniana podem apresentar problemas na ereção e nas relações sexuais, por exemplo a doença de Peyronie, na qual ocorre a formação de uma placa de tecido endurecido ao longo dos tubos interiores do pênis, o que gera uma curvatura anormal e dificulta a ereção;
  • Distúrbios hormonais: desequilíbrios hormonais podem ser causa de alterações da libido, principalmente a falta de testosterona, o que influencia diretamente na ereção. Além de disfunções da glândula tireoide (hipertireoidismo, hipotireoidismo), da glândula hipófise (hiperprolactinemia) etc;
  • Induzida por drogas: inúmeros medicamentos podem causar problemas na ereção, como anti-hipertensivos, remédios para depressão, antipsicóticos e uso de drogas como álcool, heroína, cocaína, metadona entre outras;
  • Psicológicas: problemas como ansiedade, depressão e estresse afetam mais a população adulta-jovem, gerando transtornos de ereção por diminuírem diretamente a libido.

Sintomas

O urologista, Dr. Lucas Galdino pontua que a impotência sexual pode ser manifestada de várias maneiras, não somente pelo fato de não conseguir manter o pênis ereto, mas por problemas na ejaculação ou orgasmo.

"Em certos pacientes ocorre uma demora para manter uma ereção duradoura ou mesmo a ereção é obtida, porém, não apresenta rigidez suficiente. Outras vezes, mesmo apresentando uma ereção adequada, ocorre ejaculação precoce", explica.

É possível prevenir!

Segundo os especialistas, devemos ter em mente que manter hábitos de vida saudáveis é o melhor caminho a seguir. Na maioria das vezes, as doenças associadas à disfunção erétil são passíveis de controle e tratamento. Ter atividade física regular, evitar consumo de álcool, tabaco e drogas ilícitas, alimentar-se de forma regrada e saudável são as chaves para prevenção.

Tratamentos

Quando se fala de tratamento para a disfunção erétil, deve-se enfatizar que devem ser avaliadas as causas subjacentes. O Dr. Raphael destaca que as mudanças do estilo de vida (não fumar, evitar ingerir bebidas alcoólicas, praticar atividade física, alimentar-se de forma saudável) são imprescindíveis a todos os homens. "O tratamento pode ser dividido em não farmacológico (aconselhamento psicológico ou psiquiátrico), farmacológico (medicamentos que induzem a ereção) e cirúrgico."

Já o Dr. Lucas, traz atenção para os casos de pessoas que apresentam problemas psicológicos, em que a psicoterapia associada ou não a medicações para depressão é recomendada, devendo ser acompanhada por um psicólogo ou psiquiatra.

Eles ressaltam que existem diversos medicamentos disponíveis que induzem a ereção ao facilitar o fluxo sanguíneo para o interior do pênis, podendo estes ser administrados diariamente, sob demanda antes das relações sexuais ou mesmo serem administrados pelo paciente por uma injeção direta no pênis. Lembrando sempre que os mesmos devem ser utilizados somente sob supervisão médica e necessitam de estimulação sexual para obter resultado.

"Em casos específicos ou mesmo refratários a terapia medicamentosa, as opções cirúrgicas de próteses penianas podem ser uma opção, com resultados satisfatórios, melhorando muito a qualidade de vida do homem. É possível escolher entre próteses maleáveis (semirrígidas), articuláveis ou infláveis", finalizam os urologistas.

Sobre o Uro Centro Jaraguá

O Dr. Lucas Sfier Galdino tem experiência em endourologia, laparoscopia, transplante renal, ultrassonografia do aparelho genito-urinário e biopsia de próstata guiada por ecografia. O Dr. Raphael Lahr possui especialização em cirurgias endourológicas e laparoscópicas.

Eles atendem no UroCentro em Jaraguá do Sul, espaço especializado em cirurgia urológica minimamente invasiva. A equipe atende em todas as áreas da urologia abrangendo homens, mulheres e crianças, principalmente, em alterações genito-urinário. A clínica funciona no Centro de Jaraguá do Sul. Para outras informações, basta entrar em contato pelos telefones (47) 3084-0003 e (47) 99950-1531 ou acessar a fanpage Uro Centro Jaraguá.