Enfermeiros realizaram uma passeata contra o STF (Supremo Tribunal Federal) em Jaraguá do Sul.

O grupo formado por 58 pessoas cobra o pagamento do piso salarial da categoria, suspenso por decisão da Corte. Na noite desta quarta-feira (21), eles percorreram ruas do Centro.

O Supremo Tribunal Federal suspendeu a Lei número 14.314/2022, que criou o piso nacional da enfermagem, até que os poderes Executivo e Legislativo apontem fontes pagadoras das novas despesas.

Foto: Fábio Junkes/OCP News

O piso de R$ 4.750 para enfermeiros, R$ 3.325 para técnicos de enfermagem e R$ 2.375 para auxiliares de enfermagem e parteiras está previsto na lei sancionada em agosto.

“O objetivo dessa manifestação é conscientizar a população jaraguaense. Este é um movimento nacional pelo piso da enfermagem. Nós estamos em uma luta há mais de 56 anos por esse piso. A lei foi aprovada, mas, por uma decisão monocrática e depois referendada pelo STF, suspendeu o piso nacional da enfermagem por até 60 dias. O piso é constitucional e aplicabilidade dele deveria ser imediata, não daqui a 60 dias”, comenta Almir Alexandre, diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde, ao ressaltar que o custeio do aumento aos cofres públicos dos municípios já está pronto e aguarda votação.

De acordo com Alexandre, uma paralisação não está descartada pela categoria.

Porém, é necessário uma organização grande dos enfermeiros, o que também leva em conta os impactos na sociedade.

Foto: Fábio Junkes/OCP News

“Se houver uma paralisação total da enfermagem, o impacto sobre a saúde vai ser muito grande. Nós temos consciência disso e não queremos chegar a esse ponto. A greve é a última ferramenta legal. Nós queremos que esse piso seja aplicado o mais breve possível. Mas, se nós sentimos que a lei vai ser engavetada, tenha certeza que haverá paralisação em todos os hospitais da nossa região”, finaliza.

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp