Por Heloísa Jahn |Fotos: Arquivo Pessoal Viajar para o exterior e vivenciar uma nova cultura é o desejo de muitos jovens. Para um grupo de jaraguaenses esse sonho se tornou realidade e com um objetivo ainda maior: conhecer os costumes de seus antepassados. Nove integrantes da Associação Húngara de Jaraguá do Sul, com idades entre 10 e 25 anos, participaram de um programa de intercâmbio desenvolvido pelo governo húngaro. Durante 15 dias, eles passaram por cidades, como a capital Budapeste, visitaram diversos pontos turísticos e conferiram de perto um pouco mais da história de suas famílias. Algo que instigou a estudante Gabrielle Kemczynski e a arquiteta e urbanista Fernanda Maes a ficarem ainda mais conectadas com o passado. Elas foram duas das nove jaraguenses que participaram do programa. “O objetivo deles é que nós conhecêssemos a cultura e história de lá e que também nos aproximássemos com outros descendentes de húngaros que participaram”, conta Fernanda. Três grupos diferentes partiram de Jaraguá do Sul em direção à Hungria. Gabriele e Fernanda participaram da experiência de conhecer o país ao lado de argentinos e uma americana. foto arquivo pessoal (3) Para a dupla que retornou a Hungria há pouco mais de uma semana, foi uma oportunidade enriquecedora. “Essa questão da cultura e da nossa descendência, a nossa conexão com a Hungria, ficou ainda mais forte”, destaca Fernanda. Entre os lugares que visitaram, elas destacam o Parlamento, igrejas e apresentações folclóricas que assistiram. “O momento que mais me marcou foi quando assisti a apresentação de dança. Eu fiz dança desde os seis anos e quando começou, eu chorei. Foi lindo”, conta Gabrielle. Mantendo as tradições entre os jovens De acordo com a diretora social da Associação Húngara, Bernardete Panstein, a bolsa do governo disponibiliza 20 vagas mensais para que jovens descendentes de húngaros de todo o mundo participem desse intercâmbio. “Assim que soubemos dessa oportunidade, passamos para nossos jovens e os interessados se inscreveram. A única despesa vai arcar com cerca de 20% das passagens, os demais gastos foram custeados pelo programa”, conta. Além disso, ela comenta que o governo húngaro conta com outras iniciativas para jovens descendentes, como bolsas de estudos para faculdades. foto arquivo pessoal (1) Segundo Bernadete, o intercâmbio aproxima os jovens da cultura húngara. “Eles conseguem ver de perto muito sobre a vida de nossos ancestrais, apesar de termos aqui um pouco da cultura deles, mas lá o contato é direto. E de lá eles vêm com novas ideias, contam para outros jovens e assim começam a movimentar mais a associação”, estima. Atualmente a Associação Húngara conta com cerca de 98 sócios pagantes, além de seus familiares. Bernadete conta também que em outubro os nove jaraguaenses que participaram do intercâmbio farão uma conversa aberta para compartilhar a experiência que tiveram com o público. A data ainda não foi fechada, mas as novidades podem ser acompanhadas pela página da instituição pelo facebook

Professora húngara vem para Jaraguá do Sul

Além de receber jovens de outros países para conhecer a Hungria, o governo de lá conta com um programa para o ensino da língua húngara em outros países. Neste mês, a associação recebe uma professora que dará aulas do idioma para os jaraguaenses durante período de seis meses.

O curso é destinado para descendentes de húngaros e associados, porém, caso sobrem vagas elas são abertas para o público em geral. Mais informações podem ser obtidas pelo e-mail associacaohungarajs@gmail.com.