O Rotary Club de Jaraguá do Sul — Vale do Itapocu está celebrando uma década de atividades no município. Na segunda-feira (26), data da fundação da entidade, aconteceu reunião com homenagens e premiações, além de jantar festivo. O evento contou com autoridades rotárias, entidades e comunidade. A trajetória de sucesso da associação foi evidenciada por meio das realizações.
Conforme a presidente do clube, Fabiane Kanzler Maiochi, a data é extremamente significativa para as rotarianas, que nestes dez anos já promoveram uma série de projetos e doações em benefício da comunidade. Ela ressalta que uma das bases do Rotary é o bom relacionamento entre os voluntários. “Você tem que trabalhar junto, mas também comemorar, usar a tua potencialidade profissional e ter a amizade como base. As duas coisas têm que andar juntas, o profissionalismo e o companheirismo, que é a amizade”, destaca, referindo-se ao evento que marca o aniversário do clube.
Atualmente, o RC Vale do Itapocu conta com 29 integrantes, todas mulheres, embora esse não seja uma exigência para fazer parte do grupo. “Não é preconceito, mas tem que ser corajoso”, brinca, complementando que são mulheres muito guerreiras, o que faz que o clube cresça muito. Um dos pré-requisitos da associação é justamente estimular a diversidade profissional das integrantes. Há arquitetas, professoras, promotoras de evento, empresárias, advogadas, entre outras, que contribuem com seu potencial enquanto voluntárias. Cabe à presidente coordenar toda essa capacidade de mobilização.

Força feminina em prol de projetos sociais

Muitas ações foram realizadas no decorrer desses dez anos. Conforme o clube foi crescendo, foram aumentando os projetos, as dificuldades, os desafios e também os sucessos. Em 2017, as rotarianas promoveram a décima edição do tradicional brechó beneficente. “Posso dizer que é o maior evento em movimentação de pessoas, em valores arrecadados e em tempo de voluntariado, porque nós trabalhamos o ano inteiro na retaguarda, recolhendo doações, costurando, lavando, selecionando, precificando para depois fazer o evento”, revela a presidente.
Na última edição, o evento contou com público de aproximadamente 3 mil pessoas e, entre seus benefícios, está o apelo ecológico. “Nós estamos falando em reciclar, em incentivar as pessoas a doar o que não usam, para então juntar dinheiro e colaborar com outra entidade”, completa. O tradicional risoto, segundo Fabiane, também é um dos grandes projetos em termos de arrecadação.
O Rotary Vale do Itapocu também desenvolve um trabalho na Comunidade Terapêutica Padre Aloísio Boeing há oito anos. Mensalmente, o grupo de rotarianas e colaboradores vão ao local para uma tarde de atividades com os internos, com dinâmicas diversas. “Levamos o café da tarde para confraternizarmos juntos e a palavra, sempre com muita troca, mostrando que acreditamos na capacidade deles de se reinventar e fazerem um novo começo. Nós estamos lá para apoiar”, ressalta. O clube também já promoveu investimentos na casa para melhorias físicas, como reforma total e compra de equipamentos da cozinha, montagem de enfermaria, biblioteca e academia. “Tudo simples, dentro da realidade deles e das nossas condições, mas que proporcionaram mais qualidade de vida”, aponta.
Nesta gestão, o RC Vale do Itapocu deu início ao projeto social Cozinhar Faz Bem, também desenvolvido da Comunidade Terapêutica. De acordo com Fabiane, uma das voluntárias, que é chef de cozinha, ensina os internos a cozinhar de forma mais criativa e econômica, aproveitando sobras, produtos doados e cultivados no local. “As sobremesas do nosso risoto foram confeccionadas por eles, que ganharam renda com isso. É uma atitude educacional, ecológica e prazerosa para nós, mostrar esse caminho, para que eles possam até mesmo empreender”, explica.
Segundo a vice-presidente Elisabeth Okada, o Rotary sempre busca sustentabilidade. Com as atividades, a ideia é que os internos consigam reverter valores para promover melhorias na casa. “Todo o projeto ou doação que o clube faz sempre busca sustentabilidade. O Rotary não é assistencialista e seus projetos visam atingir o maior número de pessoas possível”, enfatiza. Para promover estas realizações, o clube conta com muitos parceiros, que o apoiam nas ações que vêm da comunidade e voltam para a comunidade.

Mais iniciativas que podem receber apoio

  • Em nível internacional, há a Campanha de Erradicação da Poliomielite. O Rotary patrocina essa campanha no mundo e o RC Vale do Itapocu atua na conscientização das pessoas sobre a importância da vacinação e na arrecadação de fundos para compra de vacinas.
  • O Intercâmbio de Jovens possibilita o envio e recebimento de estudantes do mundo inteiro. O projeto é também é internacional e é considerado o mais seguro de intercâmbio. Nele, o Rotary apadrinha os jovens, o que também o torna um dos mais baratos.
  • Nestes dez anos, uma série de equipamentos foram entregues a entidades, beneficiando o maior número de pessoas possível. São doações que giram entre R$ 500,00 a R$ 250 mil em infraestrutura.
  • O Núcleo Rotary de Desenvolvimento Comunitário (NRDC) Rio da Luz é um projeto em parceria com o Iphan e Administração Municipal. O objetivo é melhorar o desenvolvimento econômico e social daquela comunidade. O projeto é validado pelo Rotary Internacional.